Tortura Seguranças que chicotearam adolescente em supermercado são identificados

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 03/09/2019 19:26 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Vídeo/Internet (Foto: Reprodução/Vídeo/Internet)
Foto: Reprodução/Vídeo/Internet
A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) investiga um caso de tortura contra um adolescente de 17 anos cometido por seguranças de um supermercado de São Paulo. A denúncia ganhou força depois que um vídeo que mostra os maus-tratos ganhou as redes sociais, e os autores já foram identificados, segundo a pasta e deverão prestar depoimento em breve.

Pelo vídeo, é possível concluir que ao menos dois seguranças levaram o adolescente a uma sala, onde o obrigaram a se despir e, após amordaçá-lo, passaram a chicoteá-lo com um fio elétrico. Enquanto torturavam o jovem, que teria sido flagrado furtando chocolate, os funcionários do supermercado ainda ordenavam que ele não tentasse se proteger das chicotadas e o ameaçavam de morte caso ele retornasse ao estabelecimento. Nas imagens, que duram cerca de 40 minutos, vê-se que, a cada agressão sofrida, o adolescente pula e grita de dor (o vídeo pode ser visto abaixo — as imagens são fortes).

Na manhã desta terça-feira (3), o adolescente passou por exame de corpo de delito. Na segunda-feira, de acordo com a Agência Brasil, ele disse à Polícia Civil que as agressões ocorreram no supermecado Ricoy, localizado na Vila Joaniza, Zona Sul da capital paulista. Ele disse ainda que o crime aconteceu em agosto, mas não soube precisar o dia, e que não registrou ocorrência devido às ameaças que sofreu. 

A SSP-SP informa que o caso é investigado pela 80ª Delegacia de Polícia (Vila Joaniza). Ainda de acordo com a pasta, a autoridade policial analisou imagens de câmeras de segurança e identificou os autores do crime, que serão ouvidos, assim como os demais funcionários do supermercado.
 
A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) de São Paulo repudiou o episódio. Em nota, o órgão defendeu a apuração com rigor dos fatos e a adoção das providências legais cabíveis. "A SMDHC lamenta a ocorrência de todos os fatos que ferem a dignidade humana e demonstram a intolerância da nossa sociedade com pessoas que deveriam receber atendimento civilizatório e adequado", afirma a nota.
 
Crime de tortura
De acordo com a lei, o crime de tortura é considerado hediondo e ocorre quando alguém é submetido, com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental. A legislação prevê pena de 2 a 8 anos a quem cometer esse tipo de crime.  
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.