Crime em Supermercado Preso segundo suspeito de torturar adolescente em supermercado de SP

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 07/09/2019 19:30 Atualizado em:

Crime aconteceu em depósito de supermercado - Reprodução
Crime aconteceu em depósito de supermercado - Reprodução
A Polícia Civil prendeu, neste sábado (7), o segundo suspeito de torturar um adolescente em um supermercado na zona sul da capital paulista. Waldir Bispo dos Santos, 49 anos, se apresentou na Deatur (Delegacia de Apoio ao Turista), o 2ª DP do aeroporto de Congonhas (zona sul), e foi encaminhado ao 80º DP, na Vila Joaniza, onde a investigação corre em segredo de Justiça. A agressão foi no mês passado, quando o garoto teria furtado chocolates.

Santos é o segundo segurança preso por envolvimento no caso. O primeiro, Davi de Oliveira Fernandes, foi detido nesta sexta-feira (6). Os suspeitos eram seguranças do supermercados Ricoy. O chicote, que teria sido feito de fios entrelaçados de energia, cortou as costas da vítima e deixou marcas. Um vídeo de 40 segundos mostrou as agressões.

No vídeo, o adolescente é chicoteado nas costas e se contorce de dor a cada novo golpe recebido. O vídeo da sessão de tortura acabou nas redes sociais e forçou a polícia a abrir um inquérito na segunda-feira (2).

Segundo o delegado Pedro Luís de Sousa, do 80° DP,  responsável pelo caso, o segurança preso neste sábado tem histórico de lesão corporal contra mulher. O outro, por apropriação indébita. 

Na quarta-feira (4), o delegado afirmou acreditar que o caso não foi isolado -há mais duas investigações de possíveis torturas, uma delas contra um menino: "Acho que o chicote foi usado outras vezes [dentro do supermercado], já que pequenos furtos são corriqueiros no local".

O titular do 80° DP afirmou ainda que o crime de tortura, em que os dois seguranças são acusados, é inafiançável, imprescritível e não pode nem ser perdoado mediante indulto oferecido pela Presidência da República.

Respostas
Em nota enviada no início da semana, a KRP Valente Zeladoria Patrimonial, que fazia a segurança do supermercado, lamentou os "horríveis fatos" atribuídos aos dois seguranças. "Ambos já foram desligados da empresa", afirmou.

O grupo Ricoy contratou uma assessoria para mediar a crise na imagem do negócio, que possui 50 lojas espalhadas pelos extremos das zonas sul e leste da capital paulista. A rede classificou de falsa e descabida a afirmação de que usa métodos escusos para tratar de casos de furto em suas lojas.

"O grupo jamais estimulou a violência, a discriminação, a coação, o constrangimento ou a força desmedida e desnecessária. Qualquer um desses métodos são inaceitáveis nesta ou em qualquer época", afirmou em nota.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.