Polêmica Igreja expulsa nove padres em disputa por colégios de SP

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 15/09/2019 09:58 Atualizado em: 15/09/2019 10:19

Foto: Colégio Agostiniano Mendel/Reprodução da Internet
Foto: Colégio Agostiniano Mendel/Reprodução da Internet
"Uma só alma, um só coração" é um dos lemas dos agostinianos, grupo religioso seguidor dos preceitos de Santo Agostinho.

O mote, porém, não reflete o cisma entre os agostinianos no Brasil que resultou na suspensão do direito de nove padres de exercerem o cargo. Na prática, eles não podem mais celebrar missas ou dar bênçãos. Para os agostinianos, esses religiosos devem ser chamados de ex-padres.

Entre o expulsos está o espanhol César Rafael Rodríguez Martinez, de 92 anos, 66 deles vividos como padre.

No centro da expulsão está a disputa pelo controle de três colégios tradicionais, dois deles em São Paulo, o Agostiniano Mendel, no Tatuapé, e Agostiniano São José, no Belém, ambos na zona leste. Há ainda o Nossa Senhora de Fátima, em Goiânia.

As escolas, com 9.300 alunos, são controladas pela Saea (Sociedade Agostiniana de Educação e Assistência).

O maior e mais famoso dos colégios, o Mendel está entre as 50 melhores instituições de ensino no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e entre os 12 melhores no estado de São Paulo.

A disputa pelos colégios começa em 2013, quando era discutida a união de três entidades agostinianas, no que viria a ser chamada de Província Agostiniana do Brasil e passaria a ser representante da Ordem Agostiniana no país.

Entre elas estavam o Vicariato de Castela, responsável pelos três colégios; a delegação de Malta; e o Santíssimo Nome de Jesus do Brasil, administradora do colégio Santo Agostinho, no centro de São Paulo.

Parte dos padres de Castela se separaram do grupo, em 2013, por divergência sobre a forma como a unificação vinha sendo tocada.

No ano seguinte, em assembleia, esses padres alteraram o estatuto social da Saea. Entre as alterações estavam, por exemplo, a possibilidade de inclusão de membros que não fazem parte da Ordem de Santo Agostinho ou mesmo da Igreja Católica (ser católico continuou sendo requisito).

A obediência ao Direito Canônico e às Constituições da Ordem de Santo Agostinho também deixam de fazer parte do estatuto. A Província viu o movimento como um golpe, um sequestro do patrimônio.

Em 2015, a Província ameaçou os padres de expulsão da Ordem caso não recuassem da alteração no estatuto. O pedido não foi atendido e os padres foram expulsos.

No ano passado, o embate subiu mais um degrau. Com apoio de representações superiores da Igreja no país, os padres foram ameaçados de perderem seus direitos clericais, o que foi confirmado em agosto último. Na prática, já não podiam mais serem chamados de padres.
"Recebemos a decisão com surpresa e perplexidade", diz o espanhol José Florencio Blanco Melon, 62 (37 anos de sacerdócio). "A Congregação do Clero nos tinha dado um tempo para nos defender, mas a punição veio antes do prazo. Diante da gravidade da punição, pensávamos que seria um processo feito com diálogo, mas isso não aconteceu."

Frei Claudio de Camargo, Prior da Província do Brasil, discorda. Em nota, ele diz que o afastamento dos padres ocorreu após muitas tentativas, juntamente com bispos e com a Cúria Romana, de buscar uma solução satisfatória para todos, o que não ocorreu.

A disputa religiosa ganhou a Justiça quando a Província tentou retomar a tutela dos colégios, num processo que corre em segredo de Justiça.

Os dois grupos divergem basicamente sobre a vinculação da Saea à Igreja. Para os dissidentes, a sociedade é uma entidade civil, sem ligação institucional e legal com a Igreja.

Para a Província, a vinculação histórica é comprovada. Frei Claudio diz tentar garantir que as obras religiosas, educacionais e assistenciais permaneçam fiéis ao espírito agostiniano e católico, como sempre foram, até 2014.

Eduardo Flauzino Mendes, 47, outro padre expulso e hoje administrador dos três colégios, defende a mudança no estatuto justamente para que os colégios continuem com as mesmas diretrizes, sem interferência externa.

Mãe de dois alunos do Agostiniano São José, Roberta Pedro Bom diz que a eventual saída dos religiosos da administração do colégio deverá ter um impacto maior do que a suspensão dos padres. "O colégio é bem visto pelos pais. Existe uma confiança muito grande, do ponto de vista pedagógico e também humanista", diz.

Mais recentemente, quem entrou na discussão para defender os ex-padres foi o jurista José Roberto Nalini, ex-secretário estadual de educação e ex-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Para ele, a Província Agostiniana usa dogmas religiosos em nome de uma cobiça material. "A Ordem nunca enviou um tostão aos colégios. Agora quer se apossar. É uma questão de cobiça econômica", diz.

Até mesmo o segredo de Justiça no processo é criticado. "Pediram segredo de Justiça para que a sociedade não os veja se digladiando por propriedades", critica. A Província diz ter pedido sigilo para preservar os religiosos expulsos.

Além dos três colégios, a sociedade cuida de 19 entidades, entre elas ações sociais e creches, além de chácaras, um clube, um centro de convenções e uma fazenda.

Em primeira instância, a Justiça decidiu que a alteração do estatuto foi irregular, mas não conferiu a tutela dos colégios à Província.

A expulsão dos nove padres mobilizou fiéis das igrejas antes comandadas por eles, pais de alunos dos colégios e famílias assistidas pelas entidades sociais. Fiéis dizem ter recolhido mais de 23 mil assinaturas em apoio aos religiosos.

Na noite da última quinta-feira (12), cinco vigílias foram realizadas. A Província diz se solidarizar com os fiéis e se comprometer em manter todas as atividades hoje desempenhadas pela Saea.

Enquanto isso, os religiosos tentam reverter a demissão que oficialmente tem caráter supremo, irrevogável e sem possibilidade de recurso. "Tem o recurso ao santo padre. Nós já fizemos esse pedido ao papa e estamos à espera de uma solução. Nesse sentido estão dirigidos nossos esforços e orações", diz José Florencio Blanco Melon.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.