Benefício Damares Alves propõe mudanças para licença-maternidade

Publicado em: 29/09/2019 16:10 Atualizado em: 29/09/2019 16:14

Valter Campanato / Agência Brasil
Valter Campanato / Agência Brasil
Uma nova proposta para ampliar licença-maternidade e licença-paternidade no país é o que pretende a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Em entrevista ao portal de notícias UOL e Folha de São Paulo, ela propôs ampliar o benefício para um ano dos atuais 120 dias para as mães, e dois ou três meses, no lugar dos cinco dias concedidos hoje aos pais. “Defendo mais tempo da mãe com a criança em casa”, destacou a ministra.

Ao defender a proposta, Damares se diz consciente de que “a indústria vai reagir”, sabe também que a pauta depende do Congresso, mas diz que há diversos projetos apresentados nesse sentido e que contarão com seu apoio.
 
Segundo ela, as políticas públicas no Brasil vão fortalecer a família. “A realidade da Hungria é totalmente diferente do Brasil. Que bom que eu fui lá, porque eu descobri que nós estamos anos-luz longe daquilo que nós gostaríamos que fosse feito para a família no Brasil, por exemplo, a licença de maternidade. Na Hungria, são três anos de licença maternidade, olha que incrível. No primeiro ano, a mulher ganha 110% do salário. Segundo ano, 80%. No terceiro, 50%. Se quiser voltar ao trabalho no segundo ou terceiro ano, 60 %”, argumentou a ministra durante a entrevista que concedida na última quinta-feira(26), em Brasília.

Apesar de defender ampliação de mais tempo da mãe com a criança em casa e do pai também, a ministra reconhece que agora essa é a realidade no Brasil. Podemos lutar por isso? Podemos. Vamos ter resistência? Muita”, frisou. 

Sobre a possibilidade do presidente Jair Bolsonaro negociar a proposta no Congresso, Damares afirmou que já existe proposta no Congresso Nacional, inúmeras propostas. “A gente pode caminhar com esse debate. Nós estamos trabalhando políticas públicas de fortalecimento de família. Por exemplo, amamentação”.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.