Investigação Cunhado de Ana Hickmann volta a ser julgado; ele alega legitima defesa

Por: Estado de Minas

Publicado em: 10/09/2019 10:09 Atualizado em:

Paulo Filgueiras/EM
Paulo Filgueiras/EM
O cunhado da apresentadora de tevê Ana Hickmann, Gustavo Henrique Bello Correa, deve voltar a ser julgado nesta terça-feira (10/9). Em maio de 2016, Rodrigo Augusto de Pádua invadiu um hotel no Bairro Belvedere, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde Ana estava hospedada, e tentou matá-la. Gustavo reagiu e matou o homem. 

Em 2017, Gustavo foi absolvido pela juíza Âmalin Aziz Sant'Ana, titular do juízo sumariante do 2º Tribunal do Júri da capital, que considerou que o réu agiu em legítima defesa. Mas, em abril de 2018, o promotor do Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, Francisco de Assis Santiago, recorreu da decisão que inocentou o cunhado. 

O MPMG apresentou denúncia por homicídio doloso contra Gustavo Corrêa em 7 de julho de 2016. Ele foi enquadrado no artigo 121 do Código Penal, que prevê reclusão de 12 a 30 anos por homicídio qualificado. A denúncia foi em sentido oposto ao que a Polícia Civil do estado apontou na investigação. 

O delegado Flávio Grossi, responsável pelo caso, pediu o arquivamento do inquérito, alegando que Gustavo teria agido em legítima defesa. Pádua foi morto com três tiros na nuca, depois de lutar com o cunhado da apresentadora. O julgamento deve ocorrer na sede do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), no Bairro Serra, na Região Centro-Sul de BH. A previsão é que comece 13h30. 
 
A apresentadora se manifestou na manhã desta terça-feira pelo Instagram. Em defesa do cunhado, Ana Hickmann escreveu: "hoje estou aqui para pedir para todos rezarem pela minha família, rezarem pelo Gustavo. Mais uma vez enfrentamos a justiça. Precisamos de força. A fé é o que nos acalma e da força."
Ver essa foto no Instagram

Hoje estou aqui para pedir para todos rezarem pela minha família, rezarem pelo Gustavo. Mais uma vez enfrentamos a justiça. Precisamos de força. A fé é o que nos acalma e da força. Mais uma vez temos que reviver a dor e a tortura que passamos naquele quarto de hotel, este pesadelo parece que não tem fim. Já choramos muito. O sofrimento não tem fim. O Gustavo foi um herói , nos salvou. Foi Deus quem deu coragem à Gustavo para enfrentar aquele psicopata armado , que atirou contra a minha cabeça, que acabou acertando Giovana , ele que estava pronto para tirar a vida de todos que estavam naquele quarto. O Gustavo já foi julgado e a Juíza de Minas Gerais absolveu meu irmão, legítima defesa. E agora ele está de volta para se defender .O Tribunal de Justiça de Minas Gerais irá julgar o recurso da Juíza que absolveu Gustavo. Não somos diferentes de ninguém. Respondemos a justiça igual a todo mundo. Mas não é possível que alguém que livrou a família de ser morta , ainda tenha que passar por isso. Todos devemos ter o direito de defender a própria vida e daqueles que amamos. Deus ilumine o Gustavo e o nosso advogado Dr Fernando José da Costa @gutoghbc @fernandojosedacostaadvogados #familia #fé

Uma publicação compartilhada por Ana Hickmann %uD83C%uDD70%uFE0F%u2795 (@ahickmann) em



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.