saúde Cidade de São Paulo tem primeira morte confirmada por sarampo neste século

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 28/08/2019 14:42 Atualizado em:

Foto: Paulo Paiva/DP.
Foto: Paulo Paiva/DP.
A cidade de São Paulo registrou a primeira morte confirmada por sarampo no atual ciclo de surto da doença. É o primeiro caso relatado desde ao menos o ano de 1997.

Segundo a secretaria de Saúde da gestão Bruno Covas (PSDB), a vítima é um homem de 42 anos. Ele não se imunizou.

A morte da vítima foi registrada no dia 17 deste mês, mas só foi confirmada pela secretaria nesta quarta (28).

De acordo com Solange Saboia, coordenadora de Vigilância e Saúde do município de São Paulo, a confirmação de casos de morte por sarampo precisa seguir um protocolo.

"Seguimos protocolos internacionais para a confirmação e discutimos com a Secretaria Municipal de Saúde. Depois da análise que se confirma", disse.

Em nota, a Secretaria da Saúde do Estado diz que, ao todo, o estado tem 2.457 casos da doença confirmados, dos quais 66% (1.637) estão concentrados na capital.

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O SARAMPO

O que é sarampo?
É uma doença infecciosa aguda transmitida por um vírus, caracterizada por manchas na pele. A doença estava erradicada no Brasil, mas voltou. Uma das razões é a baixa cobertura vacinal, ou seja, as pessoas deixaram de se vacinar.

Como é transmitido?
A transmissão acontece pela saliva, carregada pelo ar (quando a pessoa tosse, fala ou espirra). Ou seja, é altamente contagiosa.

Quais os sintomas?
Febre alta (acima de 38,5°C), manchas vermelhas na cabeça e no corpo, tosse, dor de cabeça, coriza e conjuntivite.

Sarampo pode matar?
Sim. É uma doença que traz complicações graves, inclusive neurológicas, e pode levar à morte. Também pode deixar sequelas como a surdez.

Como é o tratamento?
O doente é isolado e apenas os sintomas são tratados. Por isso, a vacinação é a ferramenta mais eficaz no combate à doença.

O que fazer em caso de suspeita?
Encaminhar o paciente a um serviço de saúde, que por sua vez notificará a vigilância epidemiológica para que esta vacine quem teve contato com o doente.

Quem deve se vacinar?
Bebês de 6 meses a 11 meses e 29 dias devem tomar a dose da campanha e as duas do calendário nacional de imunização, aos 12 meses e 15 meses; crianças e jovens de até 29 anos precisam ter tomado duas doses da vacina -quem tem de 30 a 59 anos, apenas uma dose. A maioria das pessoas com mais de 60 anos não precisa da vacina, pois já teve contato com o vírus. Na dúvida sobre ter ou não tomado a vacina na infância, é melhor tomá-la agora. Não é preciso levar a carteirinha de vacinação.
Em ações de bloqueio, quando identificado caso suspeito da doença, todos devem tomar a vacina, que é uma imunização pontual.

Onde é feita a vacinação?
Em postos de saúde e, durante a campanha, em pontos anunciados pelo governo, como estações do metrô.

Quais as reações à vacina?
Febre e dor no local da injeção, com possível inchaço. Não há reações neurológicas. A vacina NÃO causa autismo.

Quem não pode se vacinar?
Gestantes, transplantados, quem faz quimioterapia e radioterapia, ou usa corticoides ou tem HIV com CD4 menor que 200. Alérgicos a ovo e lactantes podem tomar a vacina.

Por quanto tempo a vacina vale?
Para quem completou as duas doses (ou uma dose até 1989), vale pela vida toda.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.