Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Brasil

Regresso

Extintas, araras-azuis mantidas em cativeiro na Alemanha virão para o Brasil

Publicado em: 06/06/2019 21:11

Foto: Foto: Divulgação/ACTP (Foto: Foto: Divulgação/ACTP)
Foto: Foto: Divulgação/ACTP (Foto: Foto: Divulgação/ACTP)
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) fechou um acordo com a organização alemã Association for the Conservation of Threatend Parrots (ACTP) para trazer de volta ao Brasil 50 ararinhas-azuis mantidas em cativeiro, na Alemanha.

A ararinha-azul é considerada extinta na natureza desde o ano 2000. Originária da Caatinga, na região de Curaçá (BA), ela foi alvo de caçadores e do tráfico ilegal de aves, o que ocasionou o fim da espécie em ambiente natural.

O acordo de cooperação técnica para repatriar as aves será assinado nesta sexta-feira (7). Segundo informações do ICMBio, as aves serão enviadas para o "Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha-Azul", em Curaçá (BA). A unidade de conservação foi criada no ano passado, especialmente para receber as aves.

Atualmente, existem no mundo apenas 163 exemplares da ave, todos mantidos em cativeiro, em criadouros de países que participam do Programa de Reintrodução da Ararinha-Azul. A maioria fica na Alemanha. 

No Brasil, segundo o ICMBio, há apenas 13 aves alojadas em criadouro em Minas Gerais. Duas delas são filhotes e nasceram na semana passada.O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) fechou um acordo com a organização alemã Association for the Conservation of Threatend Parrots (ACTP) para trazer de volta ao Brasil 50 ararinhas-azuis mantidas em cativeiro, na Alemanha.

A ararinha-azul é considerada extinta na natureza desde o ano 2000. Originária da Caatinga, na região de Curaçá (BA), ela foi alvo de caçadores e do tráfico ilegal de aves, o que ocasionou o fim da espécie em ambiente natural.

O acordo de cooperação técnica para repatriar as aves será assinado nesta sexta-feira. Segundo informações do ICMBio, as aves serão enviadas para o "Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha-Azul", em Curaçá (BA). A unidade de conservação foi criada no ano passado, especialmente para receber as aves.

Atualmente, existem no mundo apenas 163 exemplares da ave, todos mantidos em cativeiro, em criadouros de países que participam do Programa de Reintrodução da Ararinha-Azul. A maioria fica na Alemanha. 

No Brasil, segundo o ICMBio, há apenas 13 aves alojadas em criadouro em Minas Gerais. Duas delas são filhotes e nasceram na semana passada.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Cavani Rosas e o percurso entre a ciência e o sobrenatural
In Set com Alessandra Pires
Tecnologia e inovação aplicadas à educação
Moradores cobram inauguração da Upinha Rio da Prata
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco