Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

minas gerais

Movimentação de talude em Barão de Cocais aumenta quase 3cm em pouco mais de 12 horas

Publicado em: 28/05/2019 09:45

Canteiro de obras da construção do muro que servirá como barreira para os rejeitos antes de chegar na zona urbana da cidade. Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
A velocidade de deslocamento do talude norte da Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, Região Central de Minas, aumentou do fim da tarde de segunda para a manhã desta terça-feira. Segundo a Agência Nacional de Mineração (ANM), por volta das 17h de ontem a movimentação em alguns pontos isolados era de 21,5 centímetros/dia. Às 8h de hoje, o deslocamento chegou a 23,9 cm/dia. A deformação na porção inferior do talude norte também aumentou de 18 cm/dia para 19,5 cm/dia. 

A Barragem Sul Superior, da Vale, se tornou centro das atenções após a ruptura dos barramentos 1, 4 e 4A, em Brumadinho, responsável pela morte já confirmada de 243 pessoas e por 27 desaparecidos, quando 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos foram despejados sobre o Vale do Rio Paraopeba. A tragédia foi o gatilho para uma crise no setor, com revisão dos critérios de estabilidade das represas de rejeitos. Em 9 de fevereiro, a barragem de Barão de Cocais foi declarada como sem garantia de estabilidade, atingindo o nível três de alerta, que indica risco iminente de ruptura. 

Dois simulados de evacuação foram feitos e 400 pessoas foram retiradas da comunidade de Socorro, a cerca de 2 quilômetros da represa. A Barragem Sul Superior tem 6 milhões de metros cúbicos de rejeitos, um conteúdo que pode, ainda, atingir e se incorporar ao volume menor da Barragem Sul Inferior. Desde o dia 18 a situação piorou, com a detecção da movimentação acelerada de uma porção do talude (paredão) de 10 milhões de metros cúbicos na lateral da cava da mina. A encosta pode desabar e iniciar uma reação em cadeia com potencial para romper a barragem, que fica abaixo, a 1,5 quilômetro de distância. 

Uma das esperanças é de que o talude desça aos poucos, não gerando uma onda de choque considerável. A probabilidade de que o deslizamento gere um rompimento da Barragem Sul Superior é estimada em aproximadamente 15%, de acordo com avaliação da área de meio ambiente do estado. Uma das medidas para evitar que os rejeitos destruam Barão de Cocais é a construção de uma barragem a seis quilômetros da mina, no curso do Rio São João, que já está em andamento, como mostrou ontem reportagem do Estado de Minas. 

Nessa segunda-feira, operários começaram a construir vias para impedir que mais de 2 mil moradores da cidade fiquem ilhados em caso de rompimento da barragem, que fica a 20 quilômetros. Parte dos rejeitos de minério de ferro seria lançada no Rio São João, manancial que corta o Centro da cidade e que pode levar o material às vizinhas Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Notícias de 02/07- Brasil passa das 60 mil mortes, prefeito tem bens bloqueados e conta de luz
Véu, grinalda e... máscara!
Morre Georg Ratzinger, irmão de Bento XVI
01/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco