Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Brasil

Julgamento

Condenado motorista que atropelou ciclista pernambucano em Brasília

Motorista de 18 anos que atropelou Raul Aragão foi condenado por homicídio culposo, vai cumprir pena em regime aberto e ficará sem dirigir por dois meses

Publicado em: 22/03/2018 08:53

Pernambucano morava em Brasília, era estudante de Sociologia e ativista pela mobilidade urbana. Foto: Facebook/Rodas da Paz

Dois anos de detenção em regime inicialmente aberto e dois meses de proibição de obter habilitação para dirigir. Esta foi a pena fixada ao motorista que atropelou e matou o ciclista Raul Araguão, 23 anos, em 21 de outubro do ano passado. O estudante Johann Homonnai, 18 anos, foi condenado por homicídio culposo - quando não há a intenção de matar - na quarta-feira (21), pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT). 

De acordo com a sentença, a pena privativa de liberdade deve ser substituída por duas penas restritivas de direito, que podem variar desde prestação de serviços comunitários até proibição de frenquentar determinados locais e limitação de saída aos finais de semana. As medidas, no entanto, ainda vão ser definidas pelo juiz penal. 

No documento, o juiz responsável pelo julgamento, Osvaldo Tovani, considerou o excesso de velocidade uma "inobservância do dever geral de cuidado [...] causa determinante do acidente fatal, e presente a determinação de relação entre a conduta e o resultado". De acordo com o laudo da Polícia Civil, Johann conduzia o veículo a 95 km/h, em uma via onde a velocidade permitida é 60 km/h.

Por ser réu primário, ter "personalidade ainda em formação", não ter feito consumo de bebida alcóolica ou de drogas no momento da batida e ter prestado socorro à vítima, o condenado não teve a pena agravada. 

Como o direito penal não admite a compensação da culpa, a defesa buscou, ao longo do processo, evocar a responsabilidade exclusiva da vítima. Uma dos argumentos era de que Raul atravessou repentinamente em local não apropriado. À época da denúncia do Ministério Público, o advogado do acusado, Cléber Lopes, falou com o Correio. "Não tiramos a parcela de responsabilidade do Johann, mas, como no direito penal não existe culpa compartilhada, cabe ao judiciário decidir quem será o responsabilizado", disse. 

Os familiares de Raul consideraram a sentença branda. "Decepcionante. É um problema jurídico social grande", disse a mãe do ciclista, Renata Ribeiro Aragão. Já a irmã, Flora Gondim, considerou a pena "injustificada e absurda", especialmente o tempo de proibição para tirar a habilitação. "Dois meses? Considerando que ele matou uma pessoa? É o tipo de pena que não adianta nada. Uma vida tem que valer mais do que isso", criticou.
 
Já a Rodas da Paz — ONG da qual Raul era integrante — promete continuar lutando "por penas mais rígidas, severas". "Quando se tem uma morte no trânsito com violação às regras, consideramos que a pessoa está assumindo o risco e, por isso, não poderia ser entendido como acidente, mas como assassinato. O recado que fica, no caso do Raul, no caso da jovem que matou o ciclista no Lago Norte, é de que não é grave matar alguém no trânsito. Isso tem que mudar", afirmou o coordenador-geral da ONG, Bruno Leite.

Relembre o caso 
O estudande de sociologia da Universidade de Brasília (UnB) Raul Aragão pedalava em 21 de outubro na 406/407 Norte quando foi atropelado por um carro. O motorista ajudou no socorro e acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).  

A vítima foi encaminhada para o Hospital de Base, mas não resistiu aos ferimentos e morreu às 5h do dia seguinte. O corpo de Raul Aragão foi velado em 23 de outubro, no Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Cavani Rosas e o percurso entre a ciência e o sobrenatural
In Set com Alessandra Pires
Tecnologia e inovação aplicadas à educação
Moradores cobram inauguração da Upinha Rio da Prata
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco