Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil
Brasil Rodas da Paz pede que Ministério Público investigue caso Raul Aragão ONG da qual o ciclista fazia parte, pede que Ministério Público assuma o caso de Raul Aragão, atropelado em 21 de outubro; acusado deve ser ouvido até quarta-feira

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 06/11/2017 21:06 Atualizado em:

Investigação sobre a morte do ciclista pernambucano chegou ao Ministério Público do Distrito Federal. Foto: Reprodução/Instagram (Foto: Reprodução/Instagram)
Investigação sobre a morte do ciclista pernambucano chegou ao Ministério Público do Distrito Federal. Foto: Reprodução/Instagram


O servidor público aposentado Helder Gondim, 62 anos, pai de Raul Aragão, 23, carrega o peso de ter perdido um filho. Ao lembrar do então estudante de sociologia, que lutava veemente por melhorias do ciclismo no Distrito Federal, perpetua o silêncio e a tristeza de um homem inconformado. Como se não bastasse o luto, mais um obstáculo apareceu na vida da família Gondim/Aragão: a resolução do caso da morte do jovem, atropelado próximo de casa em 21 de outubro. 

Para que as investigações avancem, a ONG Rodas da Paz resolveu protocolar um pedido de acompanhamento ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) do inquérito policial para assumir o caso. O documento foi entregue pelos pais, amigos e representantes da ONG no órgão nesta segunda-feira. "A gente ainda vive um luto, mas não podemos ficar em casa parados. Queremos que isso seja resolvido logo. Fizemos de tudo pelo Raul em vida. Não vamos deixar que o esforço dele (pelo ciclismo) tenha sido em vão", opinou Helder Gondim. O caso encontra-se na 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte).

"Não queremos amedrontar a família do motorista. Só que isso acabe", disse Helder Gondim, 62, pai de Raul. Foto: Minervino Junior/CB/D.A Press (Foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
"Não queremos amedrontar a família do motorista. Só que isso acabe", disse Helder Gondim, 62, pai de Raul. Foto: Minervino Junior/CB/D.A Press


No documento, a ONG alega que, após 15 dias do falecimento de Raul, o motorista do carro que atropelou o rapaz, identificado como Johann Homonnai, 18, não havia sido chamado para prestar depoimento na delegacia. "Sempre que há um caso como o do Raul, em que há atropelamento que resulta em morte, pedimos ajuda do Ministério Público. É estranho que nem o motorista tenha sido encaminhado para depoimento até agora", disse uma das representantes da organização, Renata Florentino. 

A mãe de Raul, Renata Aragão, 58, relata que precisou ir na delegacia na última quarta-feira para saber mais se a polícia havia avançado nas investigações. "Eles só tinham um documento sobre a abertura do processo. Estava mais que na hora de procurar o Ministério Público", explicou a mãe. A entrega do registro para o Ministério Público é apenas uma forma de fazer com que a justiça seja feita. "Não queremos amedrontar a família do motorista. Só que isso acabe", disse Helder Gondim. 
 
Investigação

Mesmo com a ânsia familiar por resolução e o encaminhamento prévio ao Ministério Público, a 2ª Delegacia de Polícia garantiu que a investigação está sendo feita. Faltava, apenas, o laudo pericial em mãos. “Só começo a ouvir pessoas com esse documento já previamente analisado e ele chegou hoje para mim. O inquérito, inclusive, está avançado”, confirmou o delegado-chefe, Laércio Rossetto. 

Johann Homonnai, segundo a polícia, deve prestar depoimento até a próxima quarta-feira e toda a investigação sobre a morte de Raul concluída na sexta-feira. “Há uma probabilidade de 90% disso acontecer. Nossos policiais voltaram ao local do acidente para coletar mais provas. Até o momento, temos duas testemunhas já ouvidas e estudamos uma terceira. Garanto que estamos empenhados em solucionar o caso”, explicou Laércio. 
 
Ao longo do dia, o Correio tentou entrar em contato com a família de Johann, mas, até a última atualização desta reportagem, as ligações não haviam sido atendidas. 

O caso

O cicloativista Raul Aragão, estudante de sociologia da Universidade de Brasília (UnB), pedalava em 21 de outubro próximo ao local onde morava, na 406/407 Norte, quando foi atropelado por um carro. O motorista ajudou no socorro ao jovem e acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). 

Raul foi encaminhado para o Hospital de Base de Brasília (HBDF), mas não resistiu aos ferimentos e morreu às 5h do dia seguinte. O rapaz que conduzia o carro, um jovem de 18 anos, passou por teste do bafômetro no local. O etilômetro, porém, apresentou resultado negativo para embriaguez. O corpo de Raul Aragão foi velado em 23 de outubro, no Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. 


Órfãos da pandemia: um retrato trágico da contaminação pelo novo coronavírus
Escolas particulares se antecipam e já organizam retorno das atividades mesmo sem data para retomada
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
É preciso tocar a vida e se safar deste problema, diz Bolsonaro sobre pandemia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco