Diario de Pernambuco
Busca

LITERATURA

Cerimônia de abertura da Bienal Internacional do Livro de São Paulo celebra a força democrática da cultura

Publicado em: 03/07/2022 13:07 | Atualizado em: 03/07/2022 14:55

 (Foto: Divulgação.)
Foto: Divulgação.
Em solenidade marcada pela valorização da cultura como o bem principal da democracia, da diversidade e da liberdade, teve início oficialmente a 26ª edição da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, no último sábado (2). A cerimônia, que aconteceu no teatro Paulo Autran, do Sesc Pinheiros, começou com o concerto da orquestra Mundana Refugi, grupo que reúne músicos e cantores brasileiros e de diversos países do mundo (Síria, Tunísia, Guiné, Chile, Palestina, Congo, entre outros) para interpretar clássicos como As caravanas, de Chico Buarque, e Canto das três raças, icônica na voz de Clara Nunes, numa celebração à data da independência do Brasil da Bahia.
 (Foto: Divulgação.)
Foto: Divulgação.
Ao fim das apresentações da orquestra, discursaram os principais convidados da noite. O primeiro a falar foi o diretor do Sesc-SP, Danilo Miranda, sociólogo e pensador que enalteceu a importância da língua para a preservação das nossas memórias, destacando a força dela para unificar uma nação. Também se pronunciou o secretário municipal de educação de São Paulo, Fernando Padula Novaes, que considerou a cidade paulista a mais portuguesa fora de Portugal, país homenageado na edição deste ano, e enalteceu o recorde na venda de ingressos antecipados (280% a mais do que a última edição), ressaltando a força deste momento de retorno aos eventos presenciais e a importância do livro no processo. 
 (Foto: Divulgação.)
Foto: Divulgação.
O presidente da Câmara Brasileira do Livro, Vitor Tavares, discursou em tom bem-humorado, contando toda a história da oficialização do acordo de homenagem a Portugal desde o começo. "Conversei com o presidente Marcelo Rebelo de Sousa e ele me falou de sua enorme biblioteca com mais de 60 mil exemplares, que ele tinha acabado de doar, e, como livreiro que sou, entreguei a ele outros livros, os quais ele me falou que iria levar à sua segunda biblioteca. Eu, então, disse a ele que aqui, com a Bienal, nós temos uma biblioteca ainda maior, com mais de três milhões de livros.
 (Foto: Divulgação.)
Foto: Divulgação.
Ele também aproveitou a ocasião para manifestar sua luta contra a taxação dos livros no país e falou da importância de o povo valorizar a existência de livrarias, enfatizando o problema dos descontos agressivos que desvalorizam o trabalho dos autores, das editoras e dos livreiros. "O Brasil ainda é um país que lê pouco, principalmente se compararmos com a imensa quantidade de obras produzidas no país inteiro. Temos que valorizar e frequentar livrarias, principalmente após uma crise tão fort provocada pela pandemia", completou.
 (Foto: Divulgação.)
Foto: Divulgação.
Em aguardado discurso de fechamento da cerimônia, o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, recordou as origens do seu imenso apreço pela literatura e destacou a força dos livros para a manutenção de uma sociedade plural e democrática. "Minha mãe era uma assistente social de esquerda e meu pai era um médico de direita. Ambos tinham uma coisa em comum: liam e escolhiam livros e isso fazia a diferença. Eles falavam sobre os livros todo os dias, no almoço e no jantar", relembrou. "É possível um presidente ser de direita e ter um governo de esquerda. A cultura é a saída mais transformadora e duradoura da pobreza. É a cultura que permite a liberdade de expressão, o direito à crítica, o respeito do princípio de que não há duas pessoas iguais. Todos somos iguais, mas também todos diferentes”, disse, sob aplausos.
[FOTO6]
O presidente português ainda comentou a potência cultural que o Brasil sempre foi e citou como a extensa obra  concluiu sua fala afirmando que que a vida deve ser vivida de maneira apaixonada, e reafirmou sua paixão pela leitura. "Quero ser lembrado não como um chefe de estado. Os cargos que ocupamos são passageiros, o importante é viver com paixão e eu sempre fui um apaixonado pelos livros."
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Deputado Joel da Harpa elabora PL contra a publicidade de alimentos ricos em açúcar nas escolas

12/08/2022 às 22h44

Novo diretor da Anvisa toma posse nesta sexta-feira

12/08/2022 às 22h42

Encontro de candidatas negras do Nordeste debate projeto político contra o racismo

12/08/2022 às 22h10

Silvio Costa critica Marília Arraes por escolha de candidato ao Senado

12/08/2022 às 21h50

TSE divulga cálculo para distribuição de tempo no horário eleitoral

12/08/2022 às 21h41

Novo diretor da Anvisa toma posse nesta sexta-feira

12/08/2022 às 21h39

Diagnóstico de monkeypox será feito em todos os Lacens até agosto

12/08/2022 às 21h38

Roberto Jefferson registra candidatura à Presidência no TSE

12/08/2022 às 21h36

Single de Beyoncé conquista a primeira posição da Billboard Hot 100

12/08/2022 às 21h30

FBI diz ter apreendido documentos classificados na mansão de Trump

12/08/2022 às 21h24

Confira os resultados da Quina 5922 e da Lotomania 2351 desta sexta

12/08/2022 às 21h18

Ator e comediante Kenan Thompson vai apresentar o Emmy 2022

12/08/2022 às 21h15

Wyden aproveita o crescimento do EAD e aumenta o seu portfólio de cursos nesta modalidade

12/08/2022 às 21h13

Masterboi inaugura a sua primeira planta frigorífica no Nordeste

12/08/2022 às 21h09

HBO Max pode demorar 45 dias para receber os lançamentos da Warner

12/08/2022 às 21h00

Varíola do macaco: empresa brasiliense submete dois testes à Anvisa

12/08/2022 às 20h51

Defesa afirma que supersalários divulgados 'apresentam incorreções'

12/08/2022 às 20h49

Ludmilla anuncia data de lançamento de Numanice #2 ao vivo

12/08/2022 às 20h48