Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

GOVERNO

Saída de presidente da Caixa é iminente após denúncias de assédio sexual

Publicado em: 29/06/2022 09:13

 (Foto: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)
Foto: Minervino Júnior/CB/D.A.Press
O governo Jair Bolsonaro montou uma operação emergencial para estancar a crise política envolvendo o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. O executivo é acusado de assédio sexual, em uma investigação sigilosa em curso no Ministério Público Federal, segundo reportagem do jornalista Rodrigo Rangel, no Metrópoles. 

Em reunião urgente ocorrida na noite de terça-feira (29/06), no Palácio da Alvorada, Bolsonaro e seus aliados decidiram que as denúncias são graves e podem manchar a reputação do chefe do Executivo com o eleitorado feminino, público que ele luta para conquistar votos.

Os ataques mais veementes contra a permanência de Pedro Guimarães na Caixa partiram do Centrão. Há tempos eles se mostram preocupados com mau desempenho de Bolsonaro com o eleitorado feminino. Semanas atrás, os líderes chegaram a defender o nome da ex-ministra da Agricultura Teresa Cristina para ser vice na chapa da reeleição. Mas a ideia não prosperou. Com as denúncias de assédio sexual na Caixa, o presidente resolveu, na noite de ontem, demitir Pedro Guimarães da presidência do banco. 

Segundo apurou o Correio, a expectativa agora é tentar emplacar um nome feminino no lugar de Guimarães. 

Notificação por flexões
 
Não é a primeira vez que autoridades recebem denúncias quanto à conduta de Pedro Guimarães. No fim do ano passado, durante um evento de metas, o executivo pediu a funcionários da Caixa que fizessem flexões de braço. 

O Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal notificou Guimarães e recomendou que o presidente da instituição se abstenha de submeter os colaboradores a casos de mesmo teor e outras ‘situações de constrangimento no trabalho’ sob pena de abertura de um procedimento investigatório e adoção de medidas para correção da conduta, sem embargo de responsabilizações civil, criminal e administrativa’.

O texto do MPT-DF destacou que o gesto consistia em violência psicológica, tendo o ‘condão de produzir graves consequências à saúde mental dos trabalhadores’.

Nas denúncias de assédio, funcionárias do banco relatam os abusos. Guimarães é acusado de passar a mão nas mulheres, convidá-las para quartos de hotel em viagens, além de cometer assédio verbal. 

A expectativa é de que a saída de Pedro Guimarães seja oficializada nas próximas horas. Até o momento, ele não se pronunciou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com dr. Heitor Medeiros e André Navarrete (Innovation Meeting)
Em busca de água, indígenas brasileiros encontram novo lar
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Grupo Diario de Pernambuco