Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

CB.PODER

Relator da proposta que reduz ICMS diz que não haverá perda de arrecadação

Publicado em: 25/05/2022 20:01

 (Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press
Nesta quarta-feira (25), o deputado Danilo Forte (União-CE), relator do PLP 18/2022, que fixa um teto de 17% para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis e da energia elétrica, afirmou que a proposta não deve representar uma perda de receita para os estados e municípios.

“Não tem perda de arrecadação. Pelo contrário, tem substituição de fonte arrecadadora, por que ele (município) deixa de arrecadar na energia e no combustível, mas passa a arrecadar nos supermercados, na lanchonete, no cabelereiro e em outras atividades econômicas”, afirmou o deputado em entrevista ao CB.Poder - programa do Correio Braziliense em parceria com a TV Brasília.

No entanto, governadores buscam articular com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), uma tentativa de barrar a votação do projeto na Casa Legislativa. De acordo com estimativas do Comitê Nacional de Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz), as perdas de receita para os estados são estimadas em R$ 64,2 bilhões, de acordo com os preços atuais. Em um cenário pessimista, o déficit pode chegar a R$ 83,5 bilhões. A ideia dos estados é apresentar essa pesquisa para o presidente Pacheco.

Para o relator da proposta, em contrapartida, não haverá perdas, tanto para estados, quanto para municípios, visto que o dinheiro já circularia em outros produtos e serviços. “Na hora que você diminui o tributo, e é um tributo que tem reflexo em todas as cadeias produtivas, automaticamente você vai ter um ‘efeito cascata’. Então, se você diminui na fonte, combustível e energia, com certeza vai ter reflexo no pão, no tijolo, nos cosméticos”, comentou.

O PLP também extingue o ICMS acumulativo sobre os valores dos produtos que são citados na proposta. “A gente paga PIS e Cofins sobre o ICMS. Ou seja, a gente paga um imposto em cima do outro. Ninguém ‘compra ou come imposto’. Então, ontem (24), inclusive, deixamos o texto pronto para hoje, que esse ICMS acumulativo não vai ter mais. Isso vai ajudar a diminuir o valor da transmissão e o valor final da conta da energia”, destacou o deputado.

Na terça (24), o governo federal aceitou uma proposta da Câmara dos Deputados para compensar uma possível perda de arrecadação dos estados, caso ocorra. Ficou acordado que o Ministério da Economia compensaria os estados toda vez que a queda na arrecadação ficasse acima dos 5%.

Entretanto, na visão do parlamentar, a fixação do preço do ICMS não deve ser oneroso para os governos. Pelo contrário, a proposta deve diminuir a inflação, à medida em que ela for aplicada, segundo Danilo Forte. “O reflexo disso (do PLP), segundo estudos do mercado financeiro, pode variar em uma queda do IPCA de 1,2% a 1,6%, já agora em 2022, entrando em vigência agora em julho”, revelou.

“Acredito eu, que agora a gente possa também dar um pouco de conforto para a família brasileira que, a gente sabe, quando vem a inflação e a carestia, quem paga a conta são os mais pobres e assalariados” , acrescentou o deputado.

A Câmara dos Deputados deve votar o PLP 18/2022 ainda nesta semana. Na última quarta-feira (18), os deputados aprovaram regime de urgência para a proposta.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Registro de armas dispara no Brasil durante governo Bolsonaro
Manhã na Clube: Diogo Moraes (PSB) e Alexandre Henrique (PSOL), pré-candidato a dep. estadual
Grupo Diario de Pernambuco