Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ELEIÇÕES 2022

Lula mira em acordo com PSD nos estados, mas esbarra em apoio a Bolsonaro

Publicado em: 25/05/2022 19:59

 (Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação)
Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem o PSD como um dos principais alvos para a construção dos palanques estaduais. Presidido por Gilberto Kassab, o partido deixou de lado a ideia original de lançar candidatura própria ao Planalto e deixou livres os diretórios estaduais para apoiarem qualquer presidenciável. O desafio agora para Lula esbarra no fato de que a maior parte do PSD tende a apoiar Jair Bolsonaro (PL).

Na semana passada, o PT fechou acordo com o ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD), que disputa o governo de Minas Gerais. Com isso, o partido decidiu retirar a pré-candidatura ao Senado do deputado federal Reginaldo Lopes (PT), agora cotado para compor a chapa de Kalil como vice.

Na próxima quarta-feira (1), Lula vai ao Rio Grande do Sul e a Santa Catarina e terá a oportunidade de negociar com os diretórios do PSD nos estados que, até o momento, permanecem oficialmente neutros. A presidente do partido no Rio Grande do Sul, Leticia Boll, já anunciou que o PSD-RS só se posicionará após o lançamento oficial das candidaturas. A tendência nos dois estados, porém, é que o apoio vá para Bolsonaro, que lidera as pesquisas locais.

Segundo membros da campanha petista, está sendo montada uma agenda ampla para a viagem da semana que vem, mas não há confirmação de um encontro com o PSD. A estratégia agora é fechar o maior apoio possível nos estados antes do lançamento oficial da campanha, em agosto. Na reunião de segunda-feira (23) com o conselho político da coligação, foi discutida a aproximação com PSD, Avante, Pros e MDB.

Nem mesmo a aproximação com alas do PSDB e com João Doria está descartada, segundo a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. "Não somos contra conversar com ninguém que se coloca nesse campo democrático”, afirmou.

PSD rachado entre Lula e Bolsonaro

O PSD é especialmente visado por ser a quinta maior bancada no Congresso e por não ter apoio fechado. PL, PP e União Brasil já definiram presidenciáveis próprios — Bolsonaro no caso dos dois partidos do Centrão, e Luciano Bivar, no caso do União. Há ainda espaço para acordos pontuais com dissidentes, mas não com diretórios estaduais inteiros.

O PSD tentou lançar candidatura própria com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), que deu para trás. Depois, tentou atrair Eduardo Leite (PSDB), que chegou a negociar a troca de partido, mas permaneceu como tucano.

Sem um nome próprio, Kassab achou melhor não unificar o apoio nacional. mesmo tendo proximidade com Lula, para não causar um racha na sigla. A legenda está dividida quase no meio, com 12 estados tendendo a apoiar Bolsonaro, nove inclinados a irem de Lula, cinco neutros e o Ceará, fechado com Ciro Gomes, segundo levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo.

Mesmo em Minas Gerais, primeiro diretório do PSD a fechar oficialmente com Lula, parlamentares do próprio partido disseram rejeitar a aliança e afastaram-se de Kalil. “Estarei com o governador Zema e com o presidente Bolsonaro. Já avisei o presidente Kassab, deixei claro que não me junto com Lula e Kalil”, disse o deputado Diego Andrade (PSD). “Sou totalmente contra a qualquer tipo de aliança do meu partido com qualquer partido de esquerda”, afirmou também o deputado Stefano Aguiar (PSD) pelas redes sociais.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Registro de armas dispara no Brasil durante governo Bolsonaro
Manhã na Clube: Diogo Moraes (PSB) e Alexandre Henrique (PSOL), pré-candidato a dep. estadual
Grupo Diario de Pernambuco