Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

Guedes: 'Todos os bancos centrais dormiram no ponto, menos o do Brasil'

Publicado em: 25/05/2022 18:29

 (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução
O ministro da Economia, Paulo Guedes, tirou risos da plateia do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, diante do excesso de confiança habitual. Após ele afirmar que o Brasil está em melhor situação do que os demais países e que apenas o Banco Central brasileiro "não dormiu no ponto" no ajuste monetário e fiscal, houve risos, mas ele não se abalou. 

Na avaliação do ministro brasileiro, o Brasil está adiantado no processo de aumento dos juros e no ajuste fiscal pós-pandemia. Ele repetiu também que todos os bancos centrais "dormiram no ponto". "Sinto muito", disse Guedes, após os risos da sua confirmação à questão de que apenas o Brasil está mais adiantado do que os demais, durante o painel de debate sobre a dívida soberana global. “Todos os bancos centrais dormiram no ponto. Menos o do Brasil, no front monetário e fiscal.”

Além de Guedes, participaram do debate sobre o panorama da dívida pública global, em Davos, a primeira vice-diretora gerente do Fundo Monetário Nacional (FMI), Gita Gopinath; o ministro da Economia da Itália, Daniele Franco; e o principal executivo (CEO) do Banco de Desenvolvimento do Sul da África, Patrick Khulekani Dlamini.

Durante suas intervenções, o ministro brasileiro não poupou críticas ao Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), afirmando que o Fed também dormiu diante dos choques negativos combinados atuais: o aumento salarial por conta da arbitragem global do mercado de trabalho, a disrupção das cadeias produtivas globais e a guerra na Ucrânia, que afetou os preços dos alimentos e de energia. 

Em relação ao aumento do endividamento durante a pandemia, na avaliação de Guedes, o Brasil está em uma “posição muito confortável”, mais do que os demais países em relação à dívida externa, e registrou surpresas positivas na dívida interna.

Ele reconheceu que, em parte, a queda na dívida pública bruta ocorreu por conta da inflação, mas afirmou novamente que o congelamento dos salários do funcionalismo durante a pandemia ajudou no processo de redução do deficit primário das contas do governo federal. Nesse sentido, o ministro defendeu que o Brasil se saiu melhor que todos os outros países e vai conseguir crescer antes do que os demais e, novamente, os economistas vão errar as projeções sobre o país neste ano.

“Nós gastamos muito com a saúde (durante a pandemia). Vacinamos mais de 80% da população. Mas não tornamos esses gastos permanentes”, disse ao justificar a queda da dívida pública bruta de quase 90% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2020, para os atuais 78,5% do PIB. “O Brasil caiu 3,9%, em 2020. Caiu menos e se recuperou mais rápido”, frisou, lembrando que o FMI chegou a prever queda de 9,1% do PIB brasileiro naquele ano.

"Atrás da curva"

O ministro Paulo Guedes ainda reforçou que, pelo fato de o BC brasileiro ter iniciado o aumento dos juros em março do ano passado, o Brasil está “atrás da curva”, ou seja, mais adiantado no ajuste monetário, e, por conta disso, conseguirá controlar a inflação antes dos demais países. “Esperamos que o problema da inflação seja resolvido antes das economias desenvolvidas, porque estamos muito atrás da curva”, afirmou.

O chefe da equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (PL) fez questão de afirmar que o Brasil ainda vai crescer mais do que as economias desenvolvidas e fez uma projeção mais otimista para o PIB brasileiro, garantindo que o país poderá crescer 2% neste ano.

A previsão atual da pasta é de alta de 1,5%. Contudo, ele não citou o fato de o Brasil ter uma inflação muito mais elevada do que os países mais ricos e que, atualmente, está acima de 12% no acumulado em 12 meses, o que tem deixado muitos analistas preocupados, revisando as estimativas para cima e admitindo um piso de 9% neste ano.

“O mundo está desacelerando. As previsões para os Estados Unidos e o mundo estão sendo reduzidas. Nós vamos crescer cerca de 2% e a chave é que fizemos muitas reformas e removemos os estímulos fiscais durante o processo de recuperação da pandemia”, disse.

Durante a sua fala, a primeira vice-diretora gerente do Fundo Monetário Nacional (FMI), Gita Gopinath, descartou uma crise sistêmica global da dívida soberana global, mas alertou para os riscos à frente, porque nem todas as economias desenvolvidas estão com endividamento baixo, como a Alemanha.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Unicap: inscrições para vestibular 2022 até hoje
Manhã na Clube: Diogo Moraes (PSB) e Alexandre Henrique (PSOL), pré-candidato a dep. estadual
Arte marcial é um elo entre Brasil e China
Ana Marcela Cunha é bicampeã mundial em Budapeste
Grupo Diario de Pernambuco