Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

Guedes critica Bélgica e França por 'atrasarem' entrada do Brasil na OCDE

Publicado em: 25/05/2022 18:37

 (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução
O ministro da Economia, Paulo Guedes, não poupou críticas à França e à Bélgica pela falta de avanço da entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), o chamado clube dos ricos.

“Bélgica e França ficam atrasando a nossa entrada na OCDE, porque eles são protecionistas na agricultura”, reclamou o ministro, nesta quarta-feira (25), durante debate no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. 

O acordo de livre comércio entre União Europeia e Mercosul, negociado há duas décadas e assinado em 2019, também não têm avançado e um dos motivos apontados por representantes da UE, principalmente a França, é o aumento recorde de desmatamentos na Amazônia no governo de Jair Bolsonaro (PL). 

De acordo com o ministro, o fluxo de investimentos está mudando no panorama global após a guerra entre Rússia e Ucrânia e o momento é propício para uma parceria para o Brasil, que é uma enorme fonte de energia verde e de alimentos. 

“Eu já disse aos europeus para eles nos aceitarem antes de se tornarem irrelevantes para nós”, acrescentou Guedes, que classificou a França como um país “irrelevante” para o Brasil, se comparado com os países asiáticos. Segundo ele, no início do século, o comércio do Brasil com a França e com a China eram parecidos, em torno de US$ 2 bilhões por ano, e atualmente, passou para US$ 7 bilhões e US$ 220 bilhões respectivamente. “Os franceses são irrelevantes para nós”, frisou.

Segundo o ministro, durante a pandemia, enquanto as importações da Europa de produtos brasileiros encolheram 30%, as dos países asiáticos “cresceram mais de 40%”. Ele contou que, em vários encontros com representantes europeus, já fez um alerta: “Vocês perderam a Rússia e estão perdendo a América Latina se não entenderem que é preciso uma integração o Brasil, que ficou para trás durante a globalização mas, hoje, está à frente da digitalização e da energia verde e da segurança alimentar”, afirmou, citando a segunda rodada de redução do Imposto de Importação em mais 10%, para 20%. “Todos estão tentando proteger os seus empregos. Nós estamos abertos. Nós chegamos atrasados na festa, mas muito animados”, afirmou.

Energia verde

“O futuro é verde e digital e estaremos lá”, afirmou o chefe da equipe econômica ao tentar vender o Brasil como um destino de investimentos. Nesse sentido, como diferenciais na busca de energia limpa, Guedes citou a matriz energética brasileira, que é 65% hidrelétrica, 10% eólica, 5% solar e 5% nuclear e tem potencial para dobrar as participações das energias solar e eólica. “Temos vento e sol. O Brasil é uma fronteira gigante para a energia limpa e barata”, frisou.

Além disso, o ministro ressaltou que o país tem um dos governos mais digitalizados do mundo, pois conseguiu garantir o acesso bancário e a serviços públicos para mais de 130 milhões de pessoas. “O futuro está se tornando digital e o Brasil tem mais de 100 (empresas) unicórnios e o mais valioso banco digital do mundo”, afirmou o ministro, citando o Nubank.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Quem é Júlio Lancellotti, o padre antissistema que dá esperança aos pobres
Toalhas de Lula e Bolsonaro movimentam o comércio e dão o tom das eleições
Grupo Diario de Pernambuco