Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ESTADOS UNIDOS

Autor de tiroteio em escola deixou mensagens no Facebook anunciando ataque

Publicado em: 26/05/2022 08:37

 (Foto:  ChandanKhanna/AFP)
Foto: ChandanKhanna/AFP
A execução de dois adultos e de 19 crianças, entre 7 e 10 anos, em Uvalde — cidade de 16 mil habitantes situada no oeste do Texas — comoveu e revoltou os Estados Unidos, uma nação que há anos tem sido vitimada por tiroteios em massa. Mas nem mesmo o massacre na Escola Primária Robb parece ter consternado a Associação Nacional do Rifle (NRA), o poderoso lobby pró-armas que se apoia na Segunda Emenda da Constituição para defender o direito à autodefesa. A dois dias da reunião anual, em Houston, a NRA divulgou um comunicado lacônico, no qual culpa "um criminoso solitário e transtornado". "Na reunião em Houston, refletiremos sobre esses eventos, oraremos pelas vítimas, reconheceremos nossos membros patriotas e prometeremos redobrar o compromisso em tornar nossas escolas seguras", conclui a nota. O ex-presidente Donald Trump confirmou que discursará no evento, amanhã. 


Visivelmente aflito e irritado, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, discursou à nação na noite de terça-feira e cobrou dos congressistas que enfrentem a NRA e aprovem legislações rígidas para impedir tragédias semelhantes. "Como nação, temos que nos perguntar quando, pelo amor de Deus, vamos enfrentar o lobby das armas. Quando, pelo amor de Deus, faremos o que todos sabemos que precisa ser feito?" disse Biden, emocionado. Horas depois, o senador Chris Murphy — um democrata de Connecticut, palco do ataque em Sandy Hook (26 mortos, em 14 de dezembro de 2012) — também não escondeu a comoção ao comentar o massacre em Uvalde. "Isso não é inevitável, essas crianças não tiveram má sorte. Isso só acontece neste país e em nenhum outro lugar", lamentou. 

Ontem, algumas das crianças executadas por Salvador Ramos, 18, ganharam rosto. Kimberly Mata-Rubio publicou no Facebook uma foto da filha, Alexandria Aniyah Rubio, 10, com um diploma obtido depois de ela conseguir a nota máxima na escola. "Nós dissemos que a amávamos e que a buscaríamos após a escola. Não tínhamos ideia de que era um adeus", escreveu a mãe. Mitch Renfro deixou um tributo ao sobrinho Uziyah Garcia, que tinha a mesma idade de Alexandra. "Meu  sobrinho foi vítima de um tiroteio na escola. Uma criança foi morta por um louco. Uzi, amo você, camarada. Descanse em paz", publicou.

Depois de implorar por notícias da filha, Angel Garza desabafou: "Meu pequeno amor está voando alto com os anjos. Por favor, não perca um segundo. Abrace sua família. Diga a eles que você os ama. Eu amo você, Amerie Joe". A menina morreu ao tentar telefonar para o 911 e chamar a polícia. Outro exemplo de heroísmo veio da professora Eva Mireles, 44 anos, que jogou-se sobre os alunos na tentativa de impedir que fossem atingidos pelos disparos. "Minha filhinha foi tirada de nossos braços e de nossas vidas desse jeito covarde. Tão jovem, tão inocente, cheia de vida e de amor. Que sua morte não seja em vão", afirmou Jacinto Cazares, pai de Jackie Cazares, 10.

Em meio à dor, as autoridades divulgaram detalhes estarrecedores do massacre. Às 10h10 (12h10 em Brasília) de terça-feira, meia hora antes de invadir a Escola Primária Robb, carregando uma pistola e um fuzil AR-15, Ramos deixou uma série de mensagens em sua página no Facebook. "Eu vou atirar na minha avó." Pouco depois, publicou: "Atirei na minha avó" e "Vou abrir fogo na escola primária". Em apenas 15 minutos, entrou na sala de aula do quarto ano e descarregou a munição contra crianças indefesas. De acordo com Greg Abbott, governador do Texas, Ramos "disparou na cara da avó". "Ela então contatou a polícia. O jovem armado fugiu, se envolveu em um acidente (com o carro) em frente à escola e correu para o centro de ensino", acrescentou. Outro fuzil idêntico foi encontrado no automóvel de Ramos. O assassino comprou as duas armas legalmente no dia em que completou 18 anos. 


Em Richardson, no nordeste do Texas, um rapaz foi preso com um fuzil AK-47 e um simulacro de fuzil AR-15, enquanto caminhava em direção à Escola Secundária Berkner. "Os imitadores de Salvador Ramos vão se espalhar em uma semana e durante o próximo mês", previu ao Correio Loren Coleman, escritor, antropológo e especialista em comportamento, que teorizou o chamado "Efeito Copycat", fenômeno de repetição de massacres por motivação de exposição midiática. Ele citou "padrões previsíveis da natureza humana e lembrou que, em 14 de maio, um supremacista branco invadiu um supermercado na cidade de Buffalo (estado de Nova York) e matou 10 pessoas. "Normalmente, um mês após um tiroteio em massa é a data-chave para a ação de outro atirador", comentou. 

Eu acho...
 
 
 (Foto: Arquivo Pessoal)
Foto: Arquivo Pessoal
 
"O massacre na escola de Uvalde parece ser um reflexo da combinação letal do contagioso 'efeito copycat' de tiroteios em massa, o impacto desencadeador sobre outros massacres, a ausência de triagem para distúrbios de saúde mental, a disponibilidade fluida de armas de alta potência em algumas regiões e a ausência de obstáculos para o uso desses armamentos." 

Loren Coleman, escritor, antropólogo e autor de The copycat effect ("O efeito copycat")
 

De adolescente problemático a assassino
 
 (Foto: instagram/AFP)
Foto: instagram/AFP
 
 
Vítima de bullying no colégio, com dificuldades em casa e histórico de automutilações: o adolescente que matou a tiros 19 crianças em uma escola do Texas, na terça-feira, tinha antecedentes problemáticos, similares aos de outros autores de massacres escolares. Salvador Ramos, o jovem de 18 anos que foi morto enquanto a polícia tentava prendê-lo, era um cidadão americano de origem hispânica e estudante em Uvalde. 

Sua conta no Instagram, agora removida, exibia fotos de um jovem com cabelo nos ombros e olhos fechados. Seu perfil também incluía imagens de dois rifles semiautomáticos e um carregador de pistolas. Em entrevista ao jornal The Washington Post, e sob condição de não ter o sobrenome revelado, sua prima, Mia, contou que Ramos era ridicularizado pelos colegas do ensino fundamental por gaguejar e por ter a língua presa. Ele teria pedido à avó para abandonar a escola.

Stephen Garcia, um antigo amigo de Ramos, confirmou que o bullying era um problema. "Ele era fortemente atormentado por muitas pessoas", disse Garcia ao jornal. Outro amigo, Santos Valdez, lembrou que Ramos uma vez se cortou no rosto "só por diversão". A imprensa americana também informou que Ramos tinha problemas com a mãe, que, segundo vizinhos, era usuária de drogas. Os conflitos entre os dois eram tão graves que a polícia teria sido chamada em algumas ocasiões.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Toalhas de Lula e Bolsonaro movimentam o comércio e dão o tom das eleições
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Grupo Diario de Pernambuco