Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

CONJUNTURA

Aprendizado incompleto na pandemia pode diminuir rendimento da atual geração

Publicado em: 21/05/2022 08:23

 (Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
O aprendizado incompleto durante a crise sanitária, principalmente devido ao fechamento de escolas, pode diminuir o rendimento médio da atual geração de estudantes brasileiros em 9,1% ao longo da vida, de acordo com estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgadas nesta semana.

O prognóstico coloca o Brasil na terceira pior posição entre os países do G20, atrás apenas da Indonésia — onde a perda é estimada em 9,7% — e do México, que lidera o ranking com 9,9%. O relatório destaca que o impacto da pandemia na educação é algo sem precedentes e que os efeitos na economia, na desigualdade e na renda da população poderão ser sentidos por muito tempo.

Só em 2020 e 2021, interrupções nas escolas afetaram 1,6 bilhão de alunos em todo o mundo. Embora tenham atingido todos os países do G20, as perdas de aprendizado recaem desproporcionalmente sobre os países emergentes, e entre os cidadãos mais vulneráveis.
 
 (Foto: Valdo Virgo)
Foto: Valdo Virgo
 
 
"Se não for abordado, o consequente impacto no capital humano reduzirá os níveis de qualificação e a produção agregada nas próximas décadas — com maior desigualdade", diz o documento.

O relatório lembra que o fechamento de escolas já produziu efeitos, pois vários países do G20 observaram uma queda de resultado em testes de desempenho escolar, sem falar na diminuição de matrículas em todos os níveis de ensino e no aumento da evasão escolar. Por isso, o FMI estima que pelo menos 40% da população ativa nas economias do G20, nas próximas décadas, já está afetada.

Com menor qualificação, a perspectiva é de que a renda média dos trabalhadores também seja inferior — a menos que o dano seja mitigado por ações públicas, conforme aponta o FMI, inflando o mercado de trabalho formal, por exemplo.

A economista Tássia Cruz, professora da Fundação Getúlio Vargas, afirma que a sociedade precisa de esforçar para reverter os impactos do fechamento das escolas. Para ela, a queda nos indicadores de aprendizagem têm consequências graves individualmente (para a população de crianças e jovens que hoje são estudantes) e coletivamente (para a sociedade brasileira).

"Individualmente, os estudantes mais afetados pela pandemia são aqueles que dependem mais da educação para acessar o mercado de trabalho e terem maior renda futura. Essas crianças e jovens tiveram menor contato com as escolas durante a pandemia — seja por menor acesso a tecnologias digitais, seja porque precisaram trabalhar para complementar a renda familiar — e hoje estão mais propensos a se evadirem da escola", explicou.

Nesse contexto, a queda na aprendizagem — se não houver mudança nessa trajetória — afetará a produtividade dessa população quando entrar no mercado de trabalho, o que terá consequências negativas para o Produto Interno Bruto (PIB) do país. "Assim como para a produção científica, e para o desenvolvimento econômico como um todo", acrescentou.

Coletivamente, toda a sociedade sofrerá os efeitos de longo prazo da pandemia. "As consequências econômicas afetarão também os indicadores sociais do país, porque os estudantes mais atingidos pela pandemia são aqueles de famílias mais vulneráveis, aumentando a desigualdade social. Além disso, quedas no desenvolvimento econômico do país geram problemas sociais adicionais, como aumento da violência, por exemplo", completou Tássia Cruz.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Registro de armas dispara no Brasil durante governo Bolsonaro
Manhã na Clube: Diogo Moraes (PSB) e Alexandre Henrique (PSOL), pré-candidato a dep. estadual
Grupo Diario de Pernambuco