Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

PANDEMIA

OMS indica que fase crítica da pandemia pode acabar neste ano

Publicado em: 25/01/2022 13:28

 (crédito: Noel Celis / AFP)
crédito: Noel Celis / AFP
A fase aguda da pandemia da Covid-19 pode acabar ainda em 2022, prevê a Organização Mundial da Saúde (OMS). Para isso, recomendam os especialistas da agência das Nações Unidas, os países não devem ficar de "braços cruzados". Precisam lutar contra a desigualdade vacinal, aplicar restrições adaptadas e não desmerecer a capacidade do Sars-CoV-2 de se adaptar. Nesse sentido, a variante ômicron não pode ser encarada como a última variante do coronavírus nem como a responsável apenas por formas mais leves da doença, alertam.

"Podemos acabar com a fase aguda da pandemia este ano, podemos acabar com a Covid-19 como emergência sanitária mundial (o nível de alerta mais alto)", declarou, ontem, Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da instituição, durante a abertura do comitê executivo da OMS, que se reúne, semanalmente, em Genebra. Segundo ele, a cobertura vacinal mais igualitária é condição essencial para a saída da crise sanitária.

A expectativa da ONU é de que, em meados de 2022, 70% da população mundial esteja vacinada, e a agência de saúde tem pedido às autoridades que ajudem no cumprimento da meta. Porém, metade dos 194 estados-membros da OMS não alcançaram o objetivo estabelecido para o fim de 2021: chegar a 40% da população vacinada. Na África, por exemplo, 85% da população recebeu apenas uma dose dos imunizantes disponíveis.

Também desperta cada vez mais a atenção dos especialistas da OMS a forma como os países têm lidado com a variante ômicron e os efeitos causados por ela. Segundo Ghebreyesus, apesar da sensação de que se trata de uma cepa mais leve, na semana passada, uma pessoa morreu a cada 12 segundos no mundo devido à doença, e, a cada três segundos, foram registrados 100 novos casos de infecção.

"Existem diferentes cenários de como a pandemia pode se desenrolar e como a fase aguda pode terminar, mas é perigoso supor que a ômicron será a última variante", alertou. Segundo ele, as condições no mundo são "ideais" para que surjam novas variantes, inclusive mais transmissíveis e virulentas. "É verdade que viveremos com a Covid-19 (...), mas aprender a viver com ela não deve significar que temos que deixar o caminho livre. Não quer dizer que temos que aceitar que 50 mil pessoas morram toda a semana devido a uma doença que podemos prevenir e nos recuperar", enfatizou.

Eliana Bicudo, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), também acredita que a convivência com a Covid será duradoura. "Essa expectativa de evolução viral, com a superação da fase mais grave da pandemia ainda este ano, ocorre porque teremos muitas pessoas com regime de imunização completo, com duas, três e, possivelmente, quatro doses de vacina até o fim de 2022. Mas, ainda assim, vamos conviver com esse vírus e suas variantes por muitos anos, possivelmente para sempre", diz.

A especialista brasileira lembra que há países com um número reduzido de imunizados, o que ameaça o cenário traçado pela agência da ONU. "Tudo depende dessa taxa mundial. Só vamos passar dessa fase aguda quando tivermos grande parte do globo protegido, porque é isso que vai evitar o surgimento de novas cepas. Só assim iremos para um estágio novo, em que também será mais fácil lidar com a doença", afirma.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco