Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

REDES SOCIAIS

Bolsonaro afirma que inquérito sobre fake news não era sigiloso

Publicado em: 19/01/2022 20:06

 (Foto: Sergio Lima/AFP)
Foto: Sergio Lima/AFP
Há poucos dias do prazo final para depor na Polícia Federal, o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a dizer que o inquérito das Fake News, divulgado por ele em uma live, não era sigiloso. O chefe do Planalto também falou que “não quis afrontar ninguém” com a revelação do inquérito. Bolsonaro não disse se irá comparecer ao depoimento.

“Sobre aquele inquérito que mostrei naquela segunda live minha, não é secreto, confidencial. É aberto. Está bem claro conforme o próprio TSE, que existia coisa ali, eleições deliberadas, uma confirmação de que os hackers ficaram por oito meses passeando no TSE”, afirmou em entrevistas ao programa Pingos nos is da Jovem Pan, nesta quarta-feira (19).

Segundo Bolsonaro, o documento não teria sido uma conclusão da PF, mas informações prestadas pelo próprio tribunal. “Ainda existe um questionamento sobre isso, com as forças armadas e instituições, o ministro Barroso vai tomar providências para que sejam sanadas as dúvidas, não sou especialista nessa área, os técnicos vão chegar num acordo (e) a gente vai para as eleições”, disse.

O chefe do Executivo ainda destacou que, se preciso for, o governo federal poderá financiar melhorias das urnas para as próximas eleições. “Se precisar de R$ 2 bilhões para aperfeiçoar o sistema, o governo federal tem condições de arranjar esse dinheiro”, frisou.

Inquérito das fake news
 
Jair Bolsonaro deve comparecer à Polícia Federal até o próximo dia 28 para prestar depoimento no processo de vazamento de informações sobre as urnas eletrônicas. Esta será a segunda vez que o chefe do Executivo terá que se explicar à PF.

A investigação contra o presidente foi aberta pelo ministro, a pedido do Tribunal Superior Eleitoral, que entendeu as afirmações de Bolsonaro, feitas em uma live em meados de agosto do ano passado, como dizendo em respeito ao inquérito sigiloso das fake news.

A arguição também contempla o deputado Filipe Barros (PSL-PR) e o delegado Victor Neves Feitosa Campos, responsável pelo inquérito do ataque hacker — ocorrido contra o sistema do Superior Tribunal Eleitoral (TSE) em 2018 — e que foi afastado do caso por ordem do ministro. Em depoimento, Barros defendeu que as afirmações feitas por ambos na ocasião não estavam sob sigilo, e que teve acesso ao documento por ser relator da comissão do voto impresso na Câmara Federal.

Delegada “linha dura” interrogará o presidente
 
Bolsonaro será questionado pela delegada Denisse Ribeiro, designada para as principais investigações contra o presidente e apoiadores. Será a primeira vez que o chefe do Executivo a encontrará presencialmente. Ela também é responsável pelo inquérito das Fake News e das milícias digitais, ao qual pediu a inclusão do próprio presidente na investigação. Ribeiro também já pediu a prisão preventiva de aliados do chefe do Planalto.
TAGS: fake news | pf | bolsonaro |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco