Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

LIVRO

Após 20 anos de lançamento, 'Cidade de Deus' ganha audiolivro

Publicado em: 27/01/2022 07:15

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
À luz da comemoração de 20 anos desde o lançamento do impactante filme brasileiro Cidade de Deus, o livro homônimo, no qual o longa é baseado, ganha versão em audiolivro. A obra, exclusiva da plataforma Storytel Brasil, tem o lançamento marcado para hoje.

O romance Cidade de Deus chegou às prateleiras em 1997 e mudou o panorama da literatura brasileira. Agora, ganha novo fôlego em versão narrada para audiolivro. O escritor Paulo Lins, que também comanda a produção da narração, descreve as mudanças sociais pelas quais passou o conjunto habitacional Cidade de Deus, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro. Para tal, o enredo se divide em três tempos. Desde o início da favela, nos anos 1960, com a onda de roubos, ao período dominado pelo tráfico de drogas. Cabeleira comanda o crime local no primeiro período. Como pioneiro, ele dita as regras de convivência e tem o respeito dos moradores; na segunda parte, Bené é o chefe. Diferentemente do antecessor, ele carrega traços de crueldade e foca os esforços no tráfico de drogas; na etapa final, quem assume é Zé Pequeno, um personagem tomado pela maldade, que inicia uma guerra no conjunto habitacional.

Filho de pais baianos, Paulo Lins nasceu no Rio de Janeiro, em 1958, e morou na Cidade de Deus. O livro, que leva o nome do local, foi baseado em histórias reais presenciadas pelo autor. Entre os anos de 1986 e 1993, Lins trabalhou como assessor de pesquisas antropológicas para o projeto "Crime e criminalidade nas classes populares" do Rio de Janeiro. Os relatos do cotidiano das favelas coletados na pesquisa serviram de inspiração para a produção da obra. Em 1997, o livro Cidade de Deus ganha a primeira edição, pela Companhia das Letras. A publicação foi aclamada por público e crítica especializada. O Rio de Janeiro, que até então recebia representações românticas e elitizadas, ganhou o olhar visceral do escritor sobre o lado periférico e negro da cidade.

A boa repercussão do livro chamou a atenção do diretor Fernando Meirelles, que resolveu adaptar a obra para o cinema. Em 1998, apenas um ano após o lançamento do livro, a adaptação começou a ser produzida. O filme Cidade de Deus teve estreia em 2002 e marcou o cinema nacional com inovações. Até hoje, vinte anos depois, é considerado um dos mais importantes títulos produzidos no Brasil. O filme é uma das raras aparições brasileiras no Oscar. As indicações foram em quatro categorias: Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Edição e Melhor Fotografia.

Meirelles apostou as fichas em nomes desconhecidos para os papéis. Para isso, criou uma oficina de atores exclusiva para o filme, por onde passaram mais de 400 jovens e adultos. Os atores revelados pela oficina, alguns dos quais nunca haviam atuado, foram aclamados pelo trabalho digno de veteranos. Douglas Silva, Leandro Firmino, Darlan Cunha e os irmãos Jonathan e Phellipe Haagensen são alguns dos nomes que despontaram após o sucesso da produção.

Entre os atores do longa, Alexandre Rodrigues, que vive o narrador-personagem Buscapé, foi escolhido para dar voz ao novo audiolivro, já disponível com exclusividade no aplicativo Storytel. A plataforma agrega audiolivros e têm produzido versões originais com vozes famosas. No formato de assinatura, o aplicativo disponibiliza sete dias grátis para teste.

Audiolivro
Cidade de Deus

Pelo aplicativo Storytel, a partir do dia 27 de janeiro. Teste grátis por sete dias. Assinatura mensal de R$ 14,90.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco