Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

MORO NO RECIFE

'Esse livro são os fatos, isso aconteceu', diz Sergio Moro em lançamento no Recife

Publicado em: 05/12/2021 23:56 | Atualizado em: 06/12/2021 01:36

 (Sandy James/Diario de Pernambuco)
Sandy James/Diario de Pernambuco
Recém-anunciado como pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, o ex-juiz e ex-ministro no Governo Bolsonaro, Sergio Moro, esteve no Recife na noite de ontem (5) para o evento de lançamento de seu livro “Contra o Sistema da Corrupção”, que contou com uma fala de apresentação, seguida por um talk show conduzido pela jornalista Denise Rothenburg, do Correio Braziliense. 

O evento definido pelo escritor como um “lançamento editorial do Recife pro mundo” atraiu um grande público, que lotou o Teatro do RioMar. Do lado de fora, na entrada do teatro, um grupo de manifestantes contrários ao autor fez um protesto com cartazes, faixas e palavras de ordem em defesa do ex-presidente petista Luíz Inácio Lula da Silva. 

O novo livro, de acordo com Moro, narra a história vivida por ele como juiz de 1ª instância em Curitiba e sua atuação junto à Operação Lava-Jato e também sua passagem pelo  Ministério da Justiça e Segurança Pública. 

Em suas palavras, a obra não é uma autobiografia nem “narração completa dos fatos”, porque “a história não acaba aqui”, preferindo definir o livro como o resultado de um convite para “explicar no papel” sua trajetória, escolhas e ações, afirmando que a obra não narra a sua visão dos fatos, mas que “esse livro são os fatos, isso aconteceu, tudo aqui aconteceu”.  

O juiz

Em seu discurso de abertura, Moro comentou passagens do livro como, por exemplo, o momento em que divulgou o áudio de uma conversa entre os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, gravado através de um grampo. O ex-juiz disse que sempre achou ter feito “a coisa certa naquele episódio” por não ter motivos para esconder “segredo sujo de outras pessoas” e que “até hoje não me arrependo”.

O ex-juiz e ministro também afirma que “nós conseguimos” avançar contra a corrupção na Lava-Jato, porque a operação não foi fruto somente de sua ação, mas também do trabalho de “vários magistrados, procuradores, advogados, policiais e vários brasileiros que saíram às ruas em 2015 e 1016 protestando”, alegando depois que, apesar das críticas que lhe são feitas e do desmonte à operação no Governo Bolsonaro, a Lava-Jato teve um “história de sucesso” da qual ele se orgulha. 
No que diz respeito às críticas recebidas pela Lava- Jato, “sei que não sou infalível, mas foi um momento em que nós conseguimos romper com a impunidade da grande corrupção, gente que roubava o Tesouro, que roubava a Petrobras como nunca antes na história desse país”, bordão utilizado frequentemente pelo petista. Moro disse também que nunca teve nenhuma “animosidade” pessoal contra Lula e “nenhum juiz no mundo dá sentença para mandar alguém para a prisão e faz isso com satisfação pessoal”. 

A famosa condução coercitiva do ex-presidente também foi comentada durante o talk-show com a jornalista. De acordo com Moro, quem solicitou a condução de Lula - e também de sua agora falecida esposa, Marisa Letícia, negada por Moro - foi a Polícia Federal, por temer obstruções causadas pela militância. 

“A PF pediu busca e apreensão, havia o receio de que o ex-presidente poderia comandar pessoas para obstruir. Tinha uma interceptação telefônica de alguém sugerindo a ele que pedisse a militantes que deitassem na rua [para evitar as buscas]. Os policiais achavam que se tomassem o depoimento na casa dele, a casa poderia ser cercada. Na mesma época teve uma intimação do MP-SP e teve toda uma confusão da militância. Quando designei o interrogatório inicial, houve quase uma invasão em Curitiba. Eles [policiais federais] entendem que estão numa situação de risco”, afirmou o ex-juiz.

O ministro

Sobre sua passagem pelo Ministerio da Justiça e Segurança Pública, Moro alegou que seu trabalho “conseguiu avançar sobre o crime organizado e a criminalidade violenta”, mas se queixou da agenda de combate à corrupção, que ele afirma ter sido negligenciada pelo presidente Jair Bolsonaro que, segundo ele, não quis se comprometer com o projeto do pacote anti-crime nem com a aprovação da prisão em 2ª instância. Contudo, o momento decisivo para sua saída do governo, de acordo com Moro, foi a demissão de Maurício Valeixo, que era diretor-geral da Polícia Federal, instituição que ficou “até o fim” tentando proteger depois que sua relação com o governo já estava desgastada pela “sabotagem” do projeto anti-crime. 

“Falei com o delegado Valeixo, diretor-geral, o presidente já estava tentando mudar o diretor, me incomodando semana sim, semana não. Falei com o Valeixo e disse ‘não vamos mais nos enganar sobre a natureza desse governo, eles não querem nada de combate à corrupção, mas agora a gente tem a missão de proteger a Polícia Federal’, porque enquanto tivesse  lá um diretor que eu tinha nomeado, eu sabia que ele não ia fazer nada errado”, disse Moro, que teve a demissão de seu “braço direito” como gota d’água para deixar o governo.

O político

Foi durante seu período de moradia nos Estados Unidos que Moro afirma ter decidido se filiar e candidatar à presidência, aceitando um convite feito pelo Podemos ainda em 2020, porque, segundo ele, eleições devem ser períodos de esperança para a população e o que ele via era um sentimento de que os eleitores estavam “caminhando para uma espécie de funeral, que o eleitor ia escolher apenas a cor do caixão”. 

“O Podemos é um partido que sempre defendeu várias das pautas em que eu acreditava no Congresso, inclusive essa pauta ética. Tem excelentes parlamentares, gente muito boa”, disse Moro, antes de citar Ricardo Teobaldo e Eduardo Girão como exemplos e obter aplausos da plateia. “Por entender que eleição tem que ser um momento em que a gente tem que ter alternativas, tem que ter esperança, eu resolvi voltar. E resolvi voltar por vocês também”.
Drop here!
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Grupo Diario de Pernambuco