Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

CÊNICAS

'Por que não vivemos?' chega ao Teatro Santa Isabel encenando um pouco visitado Tchekhov

Publicado em: 08/12/2021 14:43 | Atualizado em: 08/12/2021 14:57

Camila Pitanga protagoniza espetéculo da Companhia Brasileira de Teatro (Divulgação)
Camila Pitanga protagoniza espetéculo da Companhia Brasileira de Teatro (Divulgação)
Um dos maiores nomes da histórias das letras e do teatro mundial, o russo Anton Tchekhov já foi levado aos palcos milhares de vezes na história, em especial com seus clássicos como A Gaivota e O Jardim das Cerejeiras. Mas dentro de seu repertório dramatúrgico, há uma obra específica que ainda encontra muito uma certa atmosfera de ineditismo e descoberta pelas condições em que foi revelada ao mundo.
 
Sem título, mas conhecida por Protonov, nome de um de seus personagens principais, trata-se de uma peça inacabada que só foi descoberta anos após a morte de seu autor, inspirando as mais diversas adaptações, porém em volume menor do que os clássicos do russo.

Quem se propõe a trazer uma versão com voz própria e brasileira desta dramaturgia é a Companhia Brasileira de Teatro, que traz uma encenação quase que inédita desse texto ao Recife, no palco do Teatro Santa Isabel, sob o título de Por que não vivemos?, montagem dirigida por Márcio Abreu e com nomes como Camila Pitanga, Cris Larin, Edson Rocha, Rodrigo Bolzan e Josy.Anne no elenco. “É um texto que só foi encenado pela primeira vez depois da Segunda Guerra e me interessa muito justamente por ainda ser uma matéria muito aberta, porosa, com várias entradas e saídas múltiplas de leitura. É uma obra que ainda consegue se ressignificar muito com o movimento do tempo e com as mudanças de cada época”, afirma o diretor, em entrevista ao Viver.

Abreu é um profundo admirador e pesquisador da obra de Tchekhov e já planejava essa encenação em 2009, mas não conseguiu realizá-la na época. Em 2018, decidiu retomar os planos, momento já atravessado por grandes mudanças sócio-políticas no país que muito dialogam com um espírito das obras do autor russo em retratar sociedades cujos valores não conseguem sustentá-la, assim como entretempos, momentos de transição nos quais o que se havia está ruindo, mas que também não se sabe o que há no horizonte. 

Agora, Por que não vivemos? retorna aos palcos com os poros descritos por Abreu ainda mais abertos às tragédias e o pandemônio do mundo, reforçando o caráter de seu título de questionar um passado de ações não tomadas, assim tentando engatar uma nova postura, um novo viver, para o futuro. O diretor pontua que a última frase da peça, “enterrar os mortos e reparar os vivos”, por exemplo, agora adquire uma outra dimensão após dois anos de pandemia, complementando a grande abertura que a dramaturgia abre para ser adaptada por diversos prismas. 

“Eu construí a encenação em três atos que carregam diferentes linguagens para falar dessas pessoas de uma classe social que já foi muito abastada e se encontra em decadência. Parto de um momento muito convivencial, muito próximo do público, como se preparasse mesmo a peça ali, para depois entrar em um segundo ato muito mais sensorial, como se fosse um sonho ou um pesadelo de um bêbado e voltamos para um ato final muito direto, próximo do épico, tirando qualquer anteparo entre o palco e o público”, elabora Abreu, sobre como se aproveitou da abertura do texto para produzir um passeio por diferentes linguagens dentro da mesma peça. 

A apresentação marca o retorno da Cia ao palco do Teatro Santa Isabel, no qual o grupo apresentou a peça Preto, protagonizada por Grace Passô e Renata Sorrah, em um momento que marcou bastante Márcio. “A gente se apresentou aqui logo após a eleição de Bolsonaro, seguida de toda a tragédia que veio nesse país, então foi uma apresentação que fizemos já muito abalados, algo muito marcante. Então é muito significativo voltarmos a esse palco em um momento em que voltamos a fazer teatro, nada melhor do que apresentar essa peça nesse teatro que tem um valor simbólico e afetivo pra gente e parao público da cidade. Estamos felizes com o privilégio de estar aqui”, concluiu Abreu. 

As apresentações serão realizadas de quinta a sábado, às 19h, e domingo, às 18h. Os ingressos custam R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia), vendidos pelo Sympla. A capacidade do teatro está limitada para até 496 pessoas. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Grupo Diario de Pernambuco