Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

AUXÍLIO BRASIL

Guedes usa especulação sobre privatizar Petrobras para defender furo no teto

Publicado em: 25/10/2021 19:02

 (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender o furo no teto de gastos para pagar o Auxílio Brasil nesta segunda-feira (25). Desta vez, no entanto, ele usou a especulação no mercado financeiro sobre a privatização da Petrobras para argumentar que a União tem condições de bancar os mais de R$ 30 bilhões para bancar o substituto do Bolsa Família.

“É evidente que seja com um pedido de extra teto, seja com uma revisão, não podemos desviar a verdade. A verdade é que vai haver um gasto um pouco maior. Estamos falando de R$ 30 e poucos bilhões. Para um país que arrecadou R$ 300 bilhões a mais que no ano passado, R$ 30 bilhões são 10%”, disse ele.

E continuou falando sobre a valorização das ações da Petrobras: “Bastou o presidente dizer: ‘Vamos estudar isso aí, isso é um problema’ e o negócio sobe 6%. Mais duas ou três semanas, se isso acontecesse, são R$ 100 bilhões a R$ 150 bilhões criados, isso não existia. Não adianta dizer que isso está sendo tirado do povo. Essa era uma riqueza que estava destruída. Bastou o presidente falar vamos estudar, o negócio sai subindo e aparecem R$ 100 bilhões. Não dá para dar R$ 30 bilhões para os mais frágeis, num momento terrível como esse, se basta uma frase do presidente para brotar do chão R$ 100 bilhões de repente?”, questionou o ministro.

As especulações sobre uma possível venda da Petrobras surgiram depois de falas de Bolsonaro sobre a alta nos preços de combustíveis. Ele mesmo já afirmou, no entanto, que a política de preços não mudaria com a privatização. Hoje, em uma entrevista a uma rádio de Mato Grosso do Sul, o chefe do Executivo disse que a culpa da alta é do dólar e do preço do barril do petróleo, mas também falou sobre a incidência de ICMS em combustíveis.

Apesar de o governo não ter apresentado nenhum novo programa de transferência de renda antes da pandemia, o ministro Guedes também afirmou hoje que já estava nos planos uma “renda básica de cidadania”, desde a época da campanha eleitoral, e que os planos, antes, eram em de fazer um programa em cima do modelo do Bolsa Família.

“Com a pandemia veio o auxílio emergencial e o presidente, com sua sensibilidade e percepção política, disse: 'Olha, em vez de fazer toda essa sofisticação que vocês estão querendo fazer, que tira do pobre para dar para o paupérrimo, que tira da classe média, vamos fazer diferente? Vamos fazer o protótipo da renda básica. Nenhuma família brasileira vai receber menos do que R$ 400'”, afirmou.

O Auxílio Brasil, no entanto, ainda não tem data para começar. O governo quer colocar o programa em prática o mais rápido possível, já que o auxílio emergencial acaba este mês e o novo programa é a principal aposta para recuperar popularidade com vistas a 2022.

A possibilidade de furo no teto de gastos passou a ser admitida pelo ministro Guedes na última semana e resultou no pedido de demissão de quatro secretários da Economia. O ministro, que foi contra o furo do teto durante toda a gestão Bolsonaro, também teria pedido demissão, mas voltou atrás após ser convencido por Bolsonaro.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Carnaval: a tragédia anunciada de uma nova onda de Covid-19
Bolsonaro vê como provocação recepção de Lula por Macron
Manhã na Clube: entrevistas com Laura Gomes (PSB), Micaelly Duarte e José Lopes
Movimento Educar: panorama completo de matemática para o Enem
Grupo Diario de Pernambuco