Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

AMÉRICA LATINA

Em estado de exceção, cidades do Equador amanhecem tomadas por militares

Publicado em: 20/10/2021 07:35

 (Foto: Fernando Mendez/AFP)
Foto: Fernando Mendez/AFP
No primeiro dos 60 dias de vigência do estado de exceção decretado pelo presidente Guillermo Lasso, na noite de segunda-feira, o Equador amanheceu com forte aparato militar em Quito, em Guayaquil (sudoeste) e em outras cidades. As Forças Armadas e a Polícia Nacional realizaram operações conjuntas e bloqueios em rodovias e estradas para tentarem frear o aumento do número de homicídios e combater o narcotráfico. Especialistas admitiram ao Correio que o decreto que Lasso é “insuficiente” e “desproporcional”, e surge no momento em que o chefe de Estado enfrenta protestos da oposição, impulsionados pelo escândalo conhecido como Pandora Papers — documentos apontam que ele controlou 14 sociedades offshore, a maioria no Panamá, mas as fechou quando o governo de Rafael Correa proibiu que candidatos ao Palácio de Carondelet, sede do Executivo, tivessem contas ou negócios em paraísos fiscais.

Ao receber o secretário de Estado americano, Antony Blinken, em Quito, Lasso prometeu aos Estados Unidos que respeitará os princípios “democráticos” durante a vigência do estado de exceção. O chefe da diplomacia de Washington, por sua vez, defendeu que as operações militares estejam “muito centradas no que desejam obter e tenham uma duração finita”. “Apreciamos muito o fato de demonstrar, de maneira convincente, que a democracia pode gerar resultados reais para o nosso povo”, declarou Blinken.

Professor do Instituto de Altos Estudios Nacionales, em Quito, Diego Núñez Santamaria afirmou que o estado de exceção é desproporcional ao motivo pelo qual foi instaurado. “O narcotráfico é um inimigo invisível, e tem estado no Equador o tempo todo. Nem por isso os governos anteriores tinham decretado essa medida. A Corte Constitucional fará um controle automático do decreto e, sem sombra de dúvidas, limitará o seu escopo”, explicou. “No entanto, não acredito que ela seja a ferramenta adequada para enfrentar a criminalidade. Pelo contrário, são necessárias políticas públicas criminológicas reais.” Entre janeiro de agosto deste ano, o Equador contabilizou 1.427 assassinatos, 55 a mais do que em 2020. Em 29 de setembro passado, um confronto entre traficantes ligados a cartéis do México e da Colômbia deixou 119 mortos, na Penitenciária del Litoral, em Guayaquil.

Para Núnez, o decreto firmado por Lasso tem caráter diversionista, tenta desviar o foco dos reais problemas o país. “Existe uma grave possibilidade de que a Assembleia Nacional (parlamento) destitua o presidente por conta do envolvimento no escândalo dos Pandora Papers”, advertiu. “Ainda que a criminalidade tenha aumentado, limitar direitos dos cidadãos não é uma medida proporcional para enfrentar essa situação. Na verdade, não passa de uma cortina de fumaça.”

Risco
Emilio Suárez Salazar, especialista em direito constitucional e professor da Universidad San Francisco de Quito e da Universidad Andina Simón Bolívar (em Quito), explicou que o estado de exceção adotado por Lasso não estabeleceu a limitação de direitos. “O presidente apenas mobilizou as Forças Armadas equatorianas para controlar a segurança. Podemos notar um aparato policial e militar maior nas áreas públicas”, comentou. “As Forças Armadas não receberam um treinamento para realizar o controle interno da segurança. Por isso, é preciso o máximo cuidado para que não cometam excessos.”

Salazar lembra que a Corte Constitucional estabeleceu que o estado de exceção deve responder a circunstâncias imprevisíveis. “O narcotráfico e a insegurança são fatores presentes no Equador desde há muitos anos. Não considero que tais circunstâncias se cumpram estritamente neste caso. No entanto, são evidentes o incremento nos homicídios e o fato de que máfias do narcotráfico ultrapassaram a capacidade normal do Estado e da polícia.” O constitucionalista aposta que a militarização é um fator de contenção dos protestos de rua que têm se espalhado contra Lasso. No entanto, Salazar adverte que, caso o governo não ataque os problemas relacionados à insegurança, o estado de exceção se mostrará inócuo. “Nesses 60 dias, Lasso precisará tomar decisões estruturais e definir políticas públicas claras. Se isso não ocorrer, concluiremos que tudo não passou de medida política.”

» Pontos de vista
Por Diego Núnez Santamaria

“O Estado pode ser responsabilizado”

“A regra é que nenhum direito está limitado. Por isso, há o risco de os militares cometerem excessos. Em princípio, o Exército e a administração pública apenas podem fazer o que lei permitir. Em tese, precisariam levar ao juiz o flagrante de qualquer infrator. Em casos de excessos, o Estado poderia ser responsabilizado frente a violações de direitos.” Professor do Instituto de Altos Estudios Nacionales (em Quito).

Por Emilio Suárez Salazar

“A medida é insuficiente”

“Não considero que a decretação do estado de exceção seja uma medida cosmética, mas insuficiente. Para combater o crime, não cabe apenas o reforço na segurança, mas o ataque às causas sociais que causam a violência: desemprego, educação e falta de acesso a serviços básicos. O Equador enfrenta grave comoção interna, ante o aumento dos homicídios.” Professor da Universidad San Francisco de Quito e da Universidad Andina Simón Bolívar.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Carnaval: a tragédia anunciada de uma nova onda de Covid-19
Bolsonaro vê como provocação recepção de Lula por Macron
Manhã na Clube: entrevistas com Laura Gomes (PSB), Micaelly Duarte e José Lopes
Movimento Educar: panorama completo de matemática para o Enem
Grupo Diario de Pernambuco