Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

MÚSICA

Referência no forró, pernambucana Terezinha do Acordeon celebra 70 anos com live

Publicado em: 22/07/2021 09:47

 (Foto: Ana Migliari/Divulgação)
Foto: Ana Migliari/Divulgação

"O forró pé-de-serra enverga, mas não quebra. Somos resistentes e teimosos", diz a cantora, compositora e acordeonista pernambucana Terezinha do Acordeon, que celebra 70 anos em pleno vapor, difundindo e fortalecendo a musicalidade nordestina no país. "Nordestino é madeira de dar em doido", completa, citando o poeta e músico Accioly Neto. A data será lembrada em live hoje, a partir das 20h, com transmissão no YouTube e participação de artistas da nova e velha geração do ritmo: Maciel Melo, Almério, Martins, Cristina Amaral, Gennaro, Beto Ortiz, Marcelo Rossiter, Cezzinha e Isabela Moraes.

"Essa live será uma grande celebração. O repertório, procurei fazer com músicas que canto ao longo desses anos, priorizando a autêntica música nordestina. Homenageando Anastácia e Marinês, que são mulheres importantes para a minha formação musical, Luiz Gonzaga, Dominguinhos e Jackson do Pandeiro”, adianta Terezinha. Para brindar a data, a cantora convidou parceiros do tempo que iniciou nos palcos, como Maciel Melo, Cristina Amaral e Gennaro, além dos aprendizes e “filhos do coração”, como se refere a Beto Hortiz e Cezzinha, e dos músicos da nova geração, representados por Almério, Isabela Moraes, Martins e Marcello Rossiter.

Natural de Salgueiro, no Sertão do estado, Terezinha fez uma geração de sanfoneiros a chamarem de “mãe”, como referência no instrumento há anos. Para a artista, apesar dos percalços, a música sempre deu alegria. “O prazer de tocar, cantar, os amigos que fiz pelo caminho, isso não tem preço. Agradeço a Deus pelos longos anos de vida bem vividos. É muito bom fazer o que gosta”, diz a cantora, que começou a tocar acordeon aos 14 anos, quando participou de um grupo musical formado na escola onde estudava. Ela abandonou a carreira promissora quando se casou, em 1970, mudando-se para o Recife. Felizmente, a trajetória artística foi retomada, em 1983, quando lançou o disco Terezinha do Acordeon - Alegria do Sertão.

Sem formação artística, Terezinha Bezerra Chaves aprendeu a cantar na peleja dos ensaios e shows, subindo no palco “na cara dura”, como conta. Ao longo da carreira, recebeu homenagens, como no Encontro de Sanfoneiros do Recife, e foi responsável pela realização do Primeiro Baile de Fantasia dos Forrozeiros, ao lado de Irah Caldeira. Dividiu o palco ao lado de vários sanfoneiros, como Chiquinha Gonzaga e Xico Bizerra, além de grandes nomes da cena forrozeira, como Gennaro e Walquíria Mendes, Paulinho Leite, Maciel Melo, Anchieta Dalí, Chico Bala, Paulinho do Acordeon e Petrúcio Amorim. Teve músicas gravadas sobretudo na voz de Elba Ramalho.

Aos 70 anos, Terezinha garante que não vai parar e anuncia novos planos. “Pretendo fazer um documentário da minha história na música, gravar um novo disco e continuar com as aulas de acordeon com meus alunos. Me vejo cantando e tocando para meu povo em todos os lugares possíveis e, se Deus me permitir, voltar a Europa, quem sabe?”, almeja. Apesar de reconhecer a importância do surgimento de novos ritmos derivados do gênero, Terezinha segue sendo símbolo de resistência do forró de raiz no estado. E reflete com preocupação sobre os rumos da musicalidade nordestina. “Sinto falta de qualidade musical.”

Diante da pandemia, Terezinha precisou se resguardar em casa, distanciando-se dos palcos por mais de um ano. “Para o artista, a falta de público é terrível. Mas, como é pro bem de todos, paciência, vai passar. Fiquemos em casa, curtindo a família, no meu caso netos e filhos, e aproveitando para compor e preparar material para a volta. Que, espero, será em breve”, aposta.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Apesar dos protestos, começa a Olimpíada de Tóquio
Manhã na Clube: entrevista com o Presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP)
Em busca por vestígios de vida em Marte
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Mariz (Associação Brasileira de Energia Nuclear)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco