Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

CPI DA COVID

Procuradoria da República no DF abre inquérito para apurar suspeita de propina por vacina

Publicado em: 23/07/2021 18:48

 (Questão foi denunciada por cabo da Polícia Militar Luiz Paulo Dominghetti. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Questão foi denunciada por cabo da Polícia Militar Luiz Paulo Dominghetti. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
A Procuradoria da República no Distrito Federal abriu um inquérito civil para apurar suspeita de corrupção envolvendo uma negociação para aquisição de vacinas contra Covid-19 pelo Ministério da Saúde. O inquérito foi aberto após denúncia do cabo da Polícia Militar de Minas Gerais (PM-MG) Luiz Paulo Dominghetti de que quando tentou negociar a venda de vacinas ao governo federal, recebeu um pedido de propina de US por dose de imunizante do ex-diretor de Logística do ministério Roberto Dias, exonerado após escândalo.

Dominghetti relatou questão à Folha de S. Paulo e depois em depoimento á Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, no Senado. O cabo é apontado como vendedor autônomo de vacinas pela empresa americana Davati Medical Supply, que dizia ter 400 milhões de doses da vacina Astrazeneca para serem vendidas ao governo brasileiro, apesar de a fabricante ter informado que não negocia com governos por meio de intermediários.

O suposto pedido de propina teria ocorrido em um shopping em Brasília. Roberto Dias nega. O representante da Davati no Brasil, Cristiano Carvalho, também prestou depoimento à CPI, ocasião em que confirmou, após muita pressão dos senadores, que Dominghetti havia relatado pedido de propina, mas disse que valores não foram citados. Cristiano também disse que aguardava a informação da empresa sobre se ela possuía ou não 400 milhões de doses a serem vendidas.

A situação está sendo apurada com profundidade pela CPI, que suspeita que havia dois grupos dentro do ministério que disputavam a negociação de vacinas. O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), disse acreditar que Roberto Dias era o operador do esquema, mas que ainda é preciso identificar para quem ele operava.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: deputado estadual Diogo Moraes (PSB) e o cardiologista Marco Antônio Alves
Consumo de carne de cachorro sob reavaliação na Coreia do Sul
Manhã na clube: entrevistas com Mendonça Filho (DEM), Vitor Moura e Jailson Silva
Combate à gordofobia vira lei no Recife
Grupo Diario de Pernambuco