Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

PANDEMIA

Mayra Pinheiro, a 'capitã cloroquina', é vacinada contra a Covid-19

Publicado em: 14/06/2021 21:40

 (Foto: Reprodução/Instagram )
Foto: Reprodução/Instagram
A médica pediatra Mayra Pinheiro, conhecida como “Capitã cloroquina” foi vacinada contra a Covid-19 em uma unidade de Saúde do Distrito Federal. Ela é secretária do Ministério da Saúde e ganhou o apelido graças à sua atuação na defesa pelo medicamento sem eficácia contra a doença causada pelo novo coronavírus. No último sábado, o Supremo Tribunal Federal autorizou a quebra de sigilo de Mayra Pinheiro e dos ex-ministros Eduardo Pazuello e Ernesto Araújo.

Alvo da CPI, Mayra Pinheiro publicou uma foto em suas redes sociais em que segura um cartão de vacinação com seu nome e a identificação de que recebeu a primeira dose do imunizante da AstraZeneca/Oxford. “Devidamente vacinada contra a Covid-19”, disse ela no post. No cartão, consta a data do último domingo, 13 de junho.

Convocada pela CPI da Covid no Senado para depor em maio, Mayra Pinheiro reforçou a defesa do tratamento precoce — bandeira amplamente defendida pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) e por seus apoiadores. O presidente já chegou a dizer, no ano passado, que não precisaria tomar a vacina porque já teve o vírus.

Questionamentos à OMS
Em suas lives nas redes sociais e em falas a apoiadores, Bolsonaro defende continuamente o uso de cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina contra a covid-19. Questionada se recebeu ordens do presidente para falar a favor dos medicamentos, Mayra afirmou na CPI que não foi orientada por ele, mas defendeu a autonomia dos médicos para prescrever os tratamentos.

“Estamos diante de uma doença grave, que tem provocado colapso dos sistemas de saúde e a morte de milhões de pessoas em todo o mundo. A tomada de decisão nesse cenário de incertezas exige respeito à autonomia médica concedida pelo Conselho Federal de Medicina”, disse ela, na ocasião.

Ela também disse que o Brasil não era obrigado a seguir a orientação da OMS, que recomendava que os medicamentos não fossem utilizados para tratar a Covid-19. “A OMS retirou a orientação desses medicamentos para tratamento da covid baseada em estudos que foram feitos com qualidade metodológica questionável com o uso da medicação na fase tardia da doença onde todos nós já sabemos que não há benefícios para os pacientes”, pontuou

A secretária falou, no entanto, contra a imunização de rebanho, que consiste em permitir que uma população seja infectada pelo vírus para que desenvolvam imunidade. “Induzir a imunidade através do efeito rebanho é extremamente perigoso. Para grandes populações, você não sabe quantas pessoas vão precisar ser submetidas a esse tipo de teoria e ela pode induzir milhares de óbitos. Então eu não concordo com isso de forma generalizada. Em pequenos grupos populacionais, isso pode ser usado”, afirmou.

Segundo especialistas, a tese da imunidade de rebanho foi adotada pelo governo no momento em que criticou o uso de máscaras e incentivou a população a ignorar o isolamento social. Averiguar a extensão dessa estratégia no governo de Jair Bolsonaro é um dos eixos das investigações da CPI da Covid.

Mayra Pinheiro também foi questionada se já havia sido imunizada e disse que contraiu covid próximo da data prevista para se vacinar, por isso precisaria esperar um mês para tomar a vacina.

Origem da vacina
Mayra Pinheiro foi imunizada com a vacina AstraZeneca/Oxford, que é produzida no Brasil pela Fiocruz. Não é possível saber, no entanto, se a vacina foi produzida no Brasil ou importada.Quando depôs na CPI da Covid, Mayra também foi questionada sobre um áudio, reproduzido pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) em que aparece falando contra a Fiocruz. Ela dizia que havia um “pênis na porta da Fiocruz” e tapetes com a figura de Che Guevara.

“Eles têm um pênis na porta da Fiocruz. Todos os tapetes das portas são a figura do Che Guevara, as salas são figurinhas do Lula Livre, Marielle Vive. É um órgão que tem um poder imenso, porque durante anos eles controlaram, através do movimento sanitarista, que foi todo construído pela esquerda, a saúde do país”, disse ela no áudio. Na CPI, ela reafirmou o que disse e acrescentou que era “uma constatação de um fato”.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Apesar dos protestos, começa a Olimpíada de Tóquio
Manhã na Clube: entrevista com o Presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP)
Em busca por vestígios de vida em Marte
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Mariz (Associação Brasileira de Energia Nuclear)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco