Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ELEIÇÕES 2022

Doria quer concorrer ao Planalto, mas sofre derrota interna no PSDB

Publicado em: 15/06/2021 21:44

 (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
A Executiva Nacional do PSDB definiu, na tarde desta terça-feira (15), as regras para a escolha do candidato do partido à Presidência da República nas eleições de 2022. A decisão pelo nome do partido ao posto de chefe do Executivo se dará pelo voto de quatro grupos, com peso unitário de 25% cada.

Com a decisão, a proposta feita pelo governador de São Paulo e pré-candidato ao Planalto, João Doria, e o aliado, presidente estadual do partido em São Paulo, Marco Vinholi, foi recusada. Assim, o político sofreu a primeira derrota antes mesmo das prévias, que ocorrem em 21 de novembro. Os dois propuseram, na última reunião da Executiva em 8 de junho, que os votos de filiados e mandatários do PSDB tivessem um peso maior, de 50%, do que os outros grupos votantes.

Poderão decidir o candidato do partido filiados (grupo 1), prefeitos e vice-prefeitos (grupo 2), vereadores, deputados estaduais e distritais (grupo 3), e governadores, vice-governadores, deputados federais, senadores, e ex-presidentes e o atual presidente da Comissão Executiva Nacional (grupo 4).

Em nota, o presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, afirmou que o próximo passo é fazer "um processo transparente, com qualidade e inovação" e que esse é um momento de "grande demonstração de democracia interna".

Já o coordenador da Comissão das Prévias, José Aníbal, disse que as novas regras farão com que “os pré-candidatos, em condições igualitárias de disputa, saiam em busca da militância do partido”. Qualquer nome filiado ao partido pode se candidatar à Presidência.

De acordo com o colunista de política do Correio, Luiz Azedo, Doria terá problemas em conseguir a maioria dos votos para ganhar as prévias, visto que concorrerá com nomes históricos do partido, como o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, ou o senador Tasso Jereissati (CE). Sem o peso dobrado para filiados de São Paulo, que aprovam a gestão do governador durante a pandemia, a disputa fica mais difícil para Doria. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Apesar dos protestos, começa a Olimpíada de Tóquio
Manhã na Clube: entrevista com o Presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP)
Em busca por vestígios de vida em Marte
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Mariz (Associação Brasileira de Energia Nuclear)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco