Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ARTES

Leilão de arte arrecada fundos para reparos no prédio da Associação Comercial de PE

Publicado em: 10/05/2021 18:07 | Atualizado em: 10/05/2021 21:00

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação

A Associação Comercial de Pernambuco realizará, nesta quinta-feira (13), a partir das 20h, o Leilão ACP, que irá arrecadar renda para a realização de reparos estruturais do palácio histórico da instituição em frente ao Marco Zero, no Bairro do Recife. O catálogo conta com obras de artistas renomados como Francisco Brennand, Cícero Dias, João Câmara, Reinaldo Fonseca, Badida, Lula Cardoso Ayres, Murilo La Greca, Antônio Mendes, Wellington Virgulino, Daniel Dobbin e mais. O leilão conta com um grupo no WhatsApp e a cerimônia será transmitida pelo YouTube. 

A curadoria foi feita por Armando Garrido, responsável pela Garrido Galeria, na Zona Norte, em parceria com Alexandre Barbosa, diretor de patrimônio da associação. Nomes como José Cláudio, Pedro Melo, Acidum Project, Roberto Ploeg, Mané Tatu, Daniel Samico, Célia Campello, Marcelo Peregrino, José Carlos Vianna também integram o catálogo do evento. 

"Essa é uma iniciativa da APC para reparos emergenciais no prédio. Alexandre Barbosa, nosso diretor de patrimônio, buscou pessoas capacitadas que pudessem nos atender com essa finalidade de levar arte para os nossos associados e ao público em geral. Cerca de 20% do valor arrecadado será destinado a reparos emergenciais no prédio, principalmente no rooftop", diz Tiago Carneiro, atual presidente da ACP.

A ACP foi fundada em 1839, mas o atual prédio histórico foi inaugurado em 1915. O espaço abriga quadros, vitrais, detalhes arquitetônicos e uma coleção de livros e jornais que revelam o protagonismo da economia do estado. A entidade já recebeu figuras como D. Pedro II, Santos Dumont, Joaquim Nabuco, Rosa e Silva, Barão do Amazonas, entre outros.

Em dezembro de 2020, o prédio histórico passou a receber visitas pela primeira vez, com passeios com guias que custavam R$ 10 e R$ 5 (meia). Os fundos foram revertidos para a preservação do casarão, que é tombado pelo Iphan e já não abriga mais a administração da entidade. As visitas foram suspensas por causa da pandemia. "Estamos aguardando uma maior segurança para voltarmos com o programa de visitações", diz Tiago Carneiro. 

Em 2020, a ACP também iniciou uma parceria com o Conservatório Instituto Artes Sol Maior, quando o projeto musical ganhou um espaço dentro do casarão histórico. Em janeiro de 2021, o espaço ainda sediou a Expo Arte Sol Maior In Concert, uma mostra sensorial de artistas pernambucanos e suas obras em esculturas, pinturas, fotografias e música. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Time de engenheiros se une para montar respiradores 15 vezes mais baratos e salvar milhares de vidas
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco