Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ANIMAIS

Deputados da Alepe aprovam mudanças no Código Estadual de Proteção aos Animais

Publicado em: 13/05/2021 20:00

 (Foto: Alepe/Comunicação)
Foto: Alepe/Comunicação
Mudanças no Código Estadual de Proteção aos Animais com o objetivo de ampliar mecanismos que possam evitar os maus tratos físicos e psicológicos aos bichos foi tema de discussão, nesta quarta-feira (12), na Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). Os deputados aprovaram dois projetos nesse sentido. As iniciativas visam proibir a utilização de abraçadeiras de náilon em cirurgias e a criação de bichos apenas para extração de pele.

Além de proibir a utilização das braçadeiras de náilon em cirurgias, quando não puderem ser removidas após as cirurgias e a criação de bichos apenas para a extração de peles, os parlamentares ratificaram, ainda, uma proposta que impede o cruzamento quando houver risco de problema genético ou prejuízo à saúde dos filhotes. Pelo modelo atual, o Código interdita, de maneira clara, oito situações de maus-tratos físicos e psicológicos aos animais. Está nessa listagem o uso de coleiras de choque, exposição a trabalhos exorbitantes e criação em locais sem ar e luminosidade natural. A lei também proíbe o abandono de bichos doentes, feridos, extenuados ou mutilados, e também o sacrifício fora das especificações técnicas. 

De iniciativa da deputada Simone Santana (PSB), o PL nº 604/2019 inclui no rol de proibições a criação com a finalidade exclusiva de extração de peles. De acordo com a socialista, essa conduta acontece “em condições deprimentes de confinamento” que abrangem “práticas cruéis e maus-tratos”.  A parlamentar explicou que a mudança sugerida não afetará as atividades de curtumes e similares, que usam a pele de animais abatidos para alimentação e outros fins.

“Com o avanço da tecnologia, já há produtos que podem substituir de maneira eficaz a utilização da pele de animais, principalmente na indústria têxtil. Não se justifica que alguns animais sejam criados exclusivamente para a extração de sua pele”, afirmou Simone Santana, na proposta. 

Outro projeto aprovado na Comissão de Agricultura foi o PL nº 1834/2021, do deputado Delegado Erick Lessa (PP), que modifica o mesmo artigo do Código tem o objetivo de proibir o emprego de abraçadeiras de náilon na realização de cirurgias veterinárias. Segundo o progressista, embora esse item seja utilizado de forma regular para conter sangramentos, não há regulamentação técnica sobre o assunto. O deputado alertou, também, sobre o prejuízo a saúde dos animais quando as abraçadeiras de náilon são deixadas no organismo do bicho. “O atrito provocado pelo dispositivo de travamento pode provocar lesões e inflamações em tecidos celulares”, disse o parlamentar, acrescentando que já existem no mercado outros materiais próprios para o uso veterinário que não trazem riscos.

Coube ao deputado Isaltino Nascimento (PSB) ser o relator das proposições. A primeira recebeu um substitutivo da Comissão de Meio Ambiente, apenas com adequações à técnica legislativa. Por sua vez, o PL 1834/2021 foi modificado pela Comissão de Justiça, que avaliou que a proibição só deve ocorrer quando a abraçadeira não puder ser removida após o reparo da área afetada.

Reprodução de animais

A Comissão de Agricultura aprovou, também, o projeto do deputado Gustavo Gouveia (DEM) que proíbe a reprodução de animais de estimação para fins comerciais, quando houver elevado risco de problemas genéticos ou de perpetuação de problemas de saúde preexistentes. A mesma vedação valerá quando existirem outros prejuízos comerciais à saúde e ao bem-estar dos filhotes ou da mãe.
 
Se aprovada em plenário, a proposta será incluída na lei que trata da reprodução, criação, venda, compra e doação de bichos de estimação em pontos de vendas comerciais. A infração poderá resultar no cancelamento do registro do criatório pelas entidades que certificam canis e gatis e tratam da expedição de pedigrees.

“A realização de cruzamentos genéticos irresponsáveis, que visam essencialmente o lucro, são fonte de intenso sofrimento a diversos animais que nascem com problemas graves de saúde. Por conta disso, os bichos são condenados a viver uma vida toda de dores provocadas para obter padrão que seja lucrativo e esteja na moda”, criticou Gustavo Gouveia.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Inflação tem maior alta para maio em 25 anos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco