Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

LUTO

Cassiano, mestre do soul brasileiro, morre vítima da Covid-19 no Rio

Publicado em: 07/05/2021 21:57 | Atualizado em: 07/05/2021 22:52

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
Morreu, nesta sexta-feira (7), aos 77 anos, o cantor e compositor Cassiano, vítima da Covid-19. Ele estava internado no Rio desde o fim de abril, no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, na Zona Oeste. O hospital divulgou uma nota informando que a morte ocorreu às 16h30.

O músico foi levado a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Copacabana após sofrer uma parada cardíaca. O compositor estava internado em estado grave no Hospital Estadual Carlos Chaga, intubado e em coma induzido. Com dificuldades para obter uma vaga em uma unidade de terapia intensiva (UTI) no Rio de Janeiro, Cassiano precisou da ajuda do prefeito Eduardo Paes para ser transferido ao hospital.

Expoente da soul music brasileira dos anos 1970, Cassiano, batizado Genival Cassiano dos Santos, veio da Paraíba para o Rio em 1960, depois de aprender os primeiros acordes com o pai, que tocava bandolim e violão. Dentre seus maiores sucessos, alguns gravados por Tim Maia, estavam Primavera, A Lua e Eu, Coleção e Eu Amo Você. Também tinha músicas também gravadas por artistas como Marisa Monte e Djavan. Alcione cantou Mister Samba e Gilberto Gil, Morena.

Carreira
Cassiano iniciou a carreira aos 21 anos, como violonista do Bossa Trio, grupo que deu origem à banda Os Diagonais, formada inicialmente por ele, pelo irmão Camarão e por Amaro, na década de 1960.

Em 1970, o compositor tornou-se conhecido nacionalmente ao participar como guitarrista do álbum de estreia de Tim Maia. No disco, ele gravou duas composições de Cassiano: Eu amo você e Primavera (vai chuva).

Como solista, o cantor teve duas canções como temas de novelas da Rede Globo. Em 1976, A lua e eu, maior sucesso da carreira de Cassiano, foi tema de O grito e, em 1977, Coleção foi incluída na trilha sonora de Locomotivas.

No ano seguinte, 1978, o compositor precisou retirar um pulmão em decorrência de uma tuberculose. Obrigado a abandonar a carreira de cantor, seguiu como músico e compositor. A discografia do artista conta com dois álbuns com o grupo Os Diagonais, quatro discos como solista e três coletâneas.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Inflação tem maior alta para maio em 25 anos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco