Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

CPI

Bolsonaro: 'CPI está um vexame, só se fala em cloroquina'

Publicado em: 08/05/2021 15:03 | Atualizado em: 08/05/2021 15:04

Mandatário também voltou a tecer críticas contra governadores e prefeitos que aderiram ao lockdown e toque de recolher na tentativa de conter o aumento de casos de Covid-19
 (crédito: EVARISTO SA / AFP
)
Mandatário também voltou a tecer críticas contra governadores e prefeitos que aderiram ao lockdown e toque de recolher na tentativa de conter o aumento de casos de Covid-19 (crédito: EVARISTO SA / AFP )
O presidente Jair Bolsonaro caracterizou a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid como um "vexame". Declaração foi dada a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada neste sábado (08).
 
"Eu sempre perseverei, sempre lutei por aquilo que achava que está certo e continuo dizendo: só Deus me tira daquela cadeira. Não vai ser... aquela CPI é um vexame, só se fala em cloroquina. Mas o cara que é contra, não dá alternativa. Tenho certeza que alguém aqui tomou hidroxicloroquina", apontou. 

O mandatário anunciou ainda que os ministros da Esplanada farão um vídeo junto a ele nesta semana informando quem se tratou com hidroxicloroquina. Objetivo é servir como propaganda a respeito da droga que não possui comprovação científica.
 
"Ontem eu estava retornando de Rondônia. No avião tinham alguns ministros. A gente vai fazer um vídeo nessa semana, 22 ministros, todos aqueles que tomaram hidroxicloroquina vão falar: eu tomei. É a alternativa no momento", destacou.

Críticas a governadores
 
Bolsonaro voltou a tecer críticas contra governadores e prefeitos que aderiram ao lockdown e toque de recolher na tentativa de conter o aumento de casos de Covid-19 no país. Até o momento, o Brasil registrou mais de 419 mil óbitos causados pelo vírus. Segundo o presidente, "quem destruiu empregos não foi ele". O chefe do Executivo também ironizou diagnósticos da doença, afirmando que "tudo é Covid".

"Não está fácil emprego no Brasil. E quem destruiu emprego não fui eu. Foram governadores e prefeitos que fecharam tudo. Deixar bem claro isso aí. Por mim, nada seria fechado porque se não trabalhar vai morrer de fome. E o vírus, tem que enfrentar. Lamento as mortes, dificilmente alguém não tem um amigo ou parente que não morreu de Covid, né? Ou de suspeita de Covid. Tudo é suspeita de Covid", disse.

Ele destacou que o país "sofreu um baque na economia, mas que não foi grande". "Sofremos um baque na economia. Quer dizer, não foi um baque grande, mas sofremos. Porque a política do "fique em casa", estão vendo, aumento de inflação, escassez de alguns produtos, mas dá para vencer. Já estamos vencendo isso daí", alegou.

Por fim, Bolsonaro disse indiretamente que os líderes estaduais e municipais possuem "sede de poder". "Agora, existem aquelas pessoas que tem sede de poder. Aquela minha cadeira, para quem quer trabalhar com honestidade, não é fácil. Para quem quer trabalhar na base pilantragem como praticamente em quase todos os governos anteriores aconteceram, é mais tranquilo", concluiu.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Inflação tem maior alta para maio em 25 anos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco