Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

IMUNIZANTE

Vacinas com IFA nacional devem ser fabricadas apenas no segundo semestre

Publicado em: 08/04/2021 17:12

Declaração foi dada pela presidente da Fundação Fiocruz em audiência pública no Senado, nesta quinta-feira (8/4) (crédito: AFP/JOEL SAGET)
Declaração foi dada pela presidente da Fundação Fiocruz em audiência pública no Senado, nesta quinta-feira (8/4) (crédito: AFP/JOEL SAGET)
Em audiência pública da Comissão Temporária Covid-19 no Senado, nesta quinta-feira (8/4), laboratórios que produzem e distribuem vacinas contra a Covid-19 salientaram que estão em processo de transferência de tecnologia para a produção do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), mas que os imunizantes com o IFA nacional devem ser fabricados apenas no segundo semestre de 2021.

Os dois imunizantes produzidos e distribuídos no Brasil – a Coronavac e a vacina de Oxford – utilizam o IFA importado da China. Com os acordos de transferência de tecnologia concretizados, o Brasil deve conseguir agilizar a fabricação das doses, salientam os participantes da audiência.

Os representantes das empresas esclareceram a situação após os senadores manifestarem preocupação com o risco de o país não cumprir o cronograma de vacinação previsto no Plano Nacional de Imunização (PNI), divulgado pelo governo federal.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Instituto Butantan e do governo federal afirmaram que há uma "grande demanda" mundial pela vacina e que um dos maiores entraves para produção em larga escala é a aquisição de insumos para a fabricação.

Contrato com a farmacêutica AstraZeneca
 
Segundo a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, o contrato com a farmacêutica AstraZeneca, que detalha a transferência de tecnologia para a produção do IFA da vacina, feita em parceria com a universidade de Oxford, deve ser assinado nas próximas semanas. Com isso, as entregas das vacinas com o ingrediente nacional se darão a partir do mês de setembro.

O acordo da tecnologia prevê que, até julho, 100,4 milhões de doses sejam produzidas a partir de IFA importado. Com o IFA nacional, a previsão é a produção de 110 milhões de ampolas no segundo semestre.

Insumos para a Coronavac
 
Após divulgar que houve um atraso na importação do IFA, necessário para produzir a vacina CoronaVac, o Instituto Butantan afirmou, nesta quinta, que até 20 de abril receberá 3 mil litros do insumo para produzir 5 milhões de doses do imunizante. 

Com isso, o instituto paulista confirma que completará a entrega de 46 milhões de doses até o final do mês para o Programa Nacional de Imunizações (PNI). Até o momento, o Butantan entregou 38,2 milhões de doses.

Sem o IFA, o Butantan garantiria 41,4 milhões de unidades até abril, faltando 4,6 milhões. Com a remessa de importação parcelada, a entrega do mês ficará em, no máximo, 10,15 milhões de doses, menos da metade do que foi ofertado em março, quando o Butantan aumentou a produção e liberou 22,7 milhões de vacinas.

A desaceleração na produção, mesmo cumprindo com todo o cronograma, impacta no ritmo de vacinação, já que a CoronaVac representa, atualmente, mais de 80% da oferta do PNI. "A vacina de São Paulo, do Brasil, do Butantan, continuará sendo aplicada nos braços dos brasileiros", garantiu o governador de SP, João Doria, que também negou interrupção no processo de produção.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco