Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

VACINAÇÃO

"Prioridade deve ser do governo", diz setor privado após registro da Pfizer

Publicado em: 23/02/2021 15:39

Segundo posicionamento da Associação Brasileira de Clínicas de Vacina (ABCVAC), a vacina aumenta a chance de imunização em massa e deve seguir as regras do plano nacional (Foto: Sebastien Bozon/AFP)
Segundo posicionamento da Associação Brasileira de Clínicas de Vacina (ABCVAC), a vacina aumenta a chance de imunização em massa e deve seguir as regras do plano nacional (Foto: Sebastien Bozon/AFP)
Mesmo com a aprovação do registro definitivo da vacina da Pfizer, o que permite comercialização no país, e o impasse nas negociações entre a farmacêutica e o Planalto, o setor privado se manteve em segundo plano na possibilidade de entrar nesta equação. No posicionamento da Associação Brasileira de Clínicas de Vacina (ABCVAC), divulgado nesta terça-feira (23/2), a "prioridade para aquisição de doses de qualquer vacina contra a covid-19 deve ser do governo federal".

Na nota, focada em comentar sobre o registro da batizada Comirnaty, a associação afirmou que a novidade aumenta as possibilidades de imunização da população brasileira, seguindo, para isso, o planejamento do plano nacional. "As clínicas associadas à ABCVAC aguardam a disponibilidade de doses para poderem atuar, como sempre fizeram, de forma complementar ao Programa Nacional de Imunização (PNI)", esclarece.

No início de janeiro, no entanto, a ABCVAC negociava a compra de 5 milhões de doses da vacina Covaxin, fabricadas pela empresa indiana Bharat Biotec. A possibilidade de incorporação chegou a ser admitida pelo Ministério da Saúde, ressaltando, no entanto, a necessidade de seguir com o cronograma dos grupos prioritários e ter registro, além de fornecer os dados de vacinação junto à Rede Nacional de Dados de Saúde.

Após críticas, já que não há vacinas suficientes para atender a demanda do Sistema Único de Saúde (SUS), o governo federal tomou frente das negociações e anunciou que irá comprar 20 milhões de doses da Covaxin.

Em dezembro do ano passado, em entrevista ao Correio, o presidente da ABCVAC, Geraldo Barbosa admitiu que apesar das tratativas com diversas farmacêuticas do mundo, não há previsão definida para que as clínicas privadas de vacina comecem a vacinar. "Esse cenário de curto prazo não existe [...] A expectativa de ter algo no segundo semestre de 2021 é plausível, mas pequena", afirmou.

A época, Geraldo explicou que o principal problema é a pouca quantidade de imunizantes disponíveis em um primeiro momento. "Caso o mundo tivesse uma quantidade grande de imunizantes, não estaríamos com esse questionamento. Como não tem, a gente concorda que essa prioridade tem que ser dada para o governo", ponderou.

Congresso

Em meio à discussão, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM/MG), apresentou, nesta terça-feira (23), um projeto de lei que autoriza a compra de vacinas por parte do setor privado, mas determina a doação integral das aquisições ao SUS até que todo o grupo prioritário seja assistido. "Desse modo, estaremos colaborando com o Poder Executivo da União, Estados, Distrito Federal e municípios para o enfrentamento dessa crise", justifica o parlamentar no documento.

A proposta também abre margens para que o poder público assuma riscos de ser responsabilizado por eventuais efeitos negativos provocados em brasileiros provocados por vacinas contra a covid-19. Segundo Pacheco, a autorização seria uma saída para destravar o impasse entre o governo e a Pfizer. A medida valeria enquanto durar a emergência em saúde pública nacional em razão da pandemia e está vinculada a iniciativas que receberem o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Doença da urina preta: síndrome rara pode levar à UTI
Resumo da semana: toque de recolher em PE, suspeitas de síndrome rara  e vacina aprovada
Atividades não essenciais proibidas em Pernambuco todo das 22h às 5h
Unicap inova em plena pandemia e transforma centros acadêmicos em escolas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco