Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

IMUNIZAÇÃO

Saúde chama de 'desconectada da realidade' intenção do Butantan de exportar doses

Publicado em: 28/01/2021 11:13

 (Foto: Governo do Estado de São Paulo)
Foto: Governo do Estado de São Paulo
O Ministério da Saúde divulgou mais uma nota na noite da última quarta-feira (27) chamando de “desconectada da realidade” a afirmação do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, de que pretende fechar contratos com outros países da América Latina para exportar as vacinas da Coronavac caso a pasta não se manifeste até o fim desta semana. A ameaça é mais um episódio da briga política entre o governador de São Paulo, de João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro.

“Embora o governo de São Paulo tenha afirmado nesta quarta-feira que vai exportar doses extras da CoronaVac se o governo Jair Bolsonaro não manifestar interesse, e que Dimas Covas, do Instituto Butantan, tenha dito que o ‘Butantan tem compromisso com outros países e que, se o Brasil declinar desses 54 milhões, vamos priorizar demais países com que temos acordo’, tais afirmações são improcedentes, incoerentes, desconectadas da realidade e desprovidas de qualquer amparo legal”, diz nota do ministério.

A pasta, então, voltou a citar uma cláusula de exclusividade do contrato, que prevê que “a contratante terá o direito à exclusividade da vacina” e que o Butantan fica desobrigado apenas se a pasta desistir dos 54 milhões de doses. Mas para isso, o governo federal tem até 30 dias após a entrega da última remessa das 46 milhões de doses para se manifestar, segundo contrato. E o ministério disse ainda que aguardará este prazo contratual para dar uma resposta. Assim, se o Butantan entregar a última remessa (9,9 milhões de doses) no dia 30 de abril, como previsto, o órgão federal tem até fim de maio para se manifestar.

O ministério pontuou também que não celebrou contrato com o Instituto Butantan ou com o governo de São Paulo, mas, sim, com a Fundação Butantan, representada no ato legal pelo seu presidente, Rui Curi. “O ato midiático promovido pelo governo de São Paulo, sem governança sobre o presente contrato, promove a desinformação, a divisão e a politização da saúde pública do povo brasileiro”, pontuou.

Na quarta, Covas disse ainda que havia enviado na semana passada um ofício ao ministério, e que aguardava a resposta. A pasta disse que recebeu o ofício por e-mail apenas na última terça-feira (26), apesar de estar com a data do dia 21, quinta-feira da semana passada. “Em seu conteúdo, há somente a solicitação para que o contratante [Ministério da Saúde] avalie a possibilidade de antecipar sua manifestação sobre a opção de compra das doses adicionais”, afirmou o ministério.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Secretários estaduais de Saúde pedem mais rigor nas medidas de restrição contra Covid-19
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 02/03
Com 93% de taxa de ocupação de UTIs, Pernambuco decreta mais restrições
De 1 a 5: saiba qual é seu perfil profissional e como tirar o máximo proveito dele
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco