Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

SAÚDE

Ministério da Saúde tem prazo curto para decidir sobre compra de vacina da Pfizer

Publicado em: 05/12/2020 10:39

 (Foto: AFP / Kena Betancur)
Foto: AFP / Kena Betancur
O governo federal precisa decidir, logo, se adquire doses da vacina da Pfizer-Biontech, mesmo com as dificuldades de logística e armazenamento impostas pelo imunizante. Segundo representantes da farmacêutica norte-americana, o Ministério da Saúde tem somente “alguns dias” para dar uma resposta sobre a compra. A empresa teria comprometido aproximadamente 85% da produção, neste e no próximo ano, sem contar a previsão de uma compra extra que o governo dos Estados Unidos pretende fazer. Se a pasta não se manifestar, corre o risco de cair para o final da fila.

Em nota, a Pfizer disse aguardar “posicionamento oficial do ministério em resposta à proposta” da companhia, “que expira em alguns dias”. A quantidade específica a ser destinada ao país é mantida sob sigilo, mas, segundo a farmacêutica, a oferta é “capaz de imunizar milhões de brasileiros já no primeiro semestre” de 2021. A eficiência do medicamento ultrapassa os 95%.

A empresa negociou as doses com mais de 30 nações. Na América Latina, México, Chile, Peru, Costa Rica e Equador, com os quais a Pfizer fechou acordo de fornecimento, preveem iniciar a vacinação este mês ou no início de 2021, a depender da autorização das agências reguladoras locais. O imunizante adota a tecnologia RNA –– que exige baixíssimas temperaturas para estocagem e transporte. No Reino Unido, a distribuição do medicamento para grupos específicos da população começa na próxima semana.

Por enquanto, o acordo mais sólido do ministério é com a AstraZeneca-Universidade de Oxford, que ainda não encerrou a fase três do estudo clínico e cujo registro pode ser o mais demorado –– a farmacêutica reconhece erros nos testes iniciais, que culminam na necessidade de ampliar as pesquisas. O governo federal espera obter mais de 100 milhões de doses para incluí-las no Programa Nacional de Imunização.

Outra alternativa é a CoronaVac, cuja inspeção da fábrica da Sinovac, na China, foi finalizada ontem. O Instituto Butantan, que faz parte da parceria, promete entregar o dossiê completo à Anvisa até 15 de dezembro. “A expectativa é que a CoronaVac, do Instituto Butantan, faça parte do rol de vacinas disponíveis e seja utilizada para a imunização em todo o Brasil”, afirma nota do governo.

País deve superar as 176 mil mortes hoje
O Ministério da Saúde contabilizou, ontem, mais 694 mortes e 46.884 casos da covid-19. Com isso, o Brasil já perdeu 175.964 vidas para o novo coronavírus e soma 6.533.968 infecções desde o início da pandemia. Faltando um dia para completar a 49ª semana epidemiológica, o país soma 196.812 novos casos nos últimos seis dias. Segundo a pasta, 87,9% dos infectados, ou seja, 5.744.369 pessoas estão recuperadas da doença. Outras 613.635, que correspondem a 9,4% dos diagnósticos positivos, ainda estão em acompanhamento. Das 27 unidades da Federação, 24 registram mais de mil mortos pelo novo coronavírus. São Paulo (42.788) e Rio de Janeiro (23.017) são os dois únicos estados com mais de 20 mil óbitos cada.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Técnica em enfermagem é a primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 em Pernambuco
Enem para todos com Fernandinho Beltrão #126 Introdução ao Reino Protista #127 Classificação
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 18/01
Vacinação é antecipada e começa nesta segunda-feira em todo país
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco