Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

DECLARAÇÃO

"2 ou 3", restringe Pazuello sobre vacinas contra a Covid no Brasil

Publicado em: 03/12/2020 07:28 | Atualizado em: 03/12/2020 07:45

 (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agencia Brasil)
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agencia Brasil
Enquanto outros países anunciam avanços na imunização contra a Covid-19, o Brasil trabalha com, no máximo, três opções de vacinas para deter o novo coronavírus. Foi o que disse, ontem, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante uma audiência pública da comissão do Congresso Nacional que acompanha as ações do governo relacionadas à crise provocada pela pandemia. De acordo com o general, são poucas fabricantes de imunizantes que têm quantidade e cronograma de entrega efetiva para o Brasil.

“Quando a gente chega ao final das negociações, e vai para cronograma de entrega e fabricação, os números são pífios. Números de grande quantidade, realmente, se reduzem a uma, duas ou três ideias. A maioria fica com números muito pequenos para o nosso país”, disse o ministro. Sem citar nenhuma empresa, Pazuello afirmou ainda que há uma “competição” e uma “campanha publicitária muito forte” na venda de vacinas.

“Uma produtora lança uma campanha publicitária de que já fez, está pronto, está maravilhoso. Quando você vai apertar, a história é bem diferente, como tudo na vida. Na hora que você vai efetivar a compra, vai escolher, não tem bem aquilo que você quer, o preço não é bem aquele, e a qualidade não é bem aquela. Então, quando a gente aperta, as opções diminuem bastante”, completou.

Por enquanto, o governo federal tem dois acordos garantidos para garantir, pelo menos, 142 milhões de doses no primeiro semestre de 2021. Cerca de 100 milhões são da vacina produzida pela Universidade de Oxford com o laboratório AstraZeneca. Os primeiros 15 milhões de doses do imunizante chegarão ao Brasil entre janeiro e fevereiro de 2021, segundo Pazuello.

“Eu ressalto, para deixar claro, que, em janeiro e fevereiro, já começam a chegar 15 milhões de doses dessa encomenda tecnológica da AstraZeneca/Oxford com a Fiocruz. E, no primeiro semestre, chegamos a 100 milhões de doses. No segundo semestre, com a tecnologia transferida, pronta, poderemos produzir com a Fiocruz até 160 milhões de doses a mais. Só aí são 260 milhões de doses”, explicou.

As outras 42 milhões são as previstas pela associação Covax Facility, à qual o Brasil aderiu. O ministro explicou que essas doses podem ser de uma das dez fabricantes que fazem parte do consórcio — “inclusive, a própria AstraZeneca e a Pfizer, por exemplo, estão nele”. A vacina produzida pela Pfizer/Biontech, porém, ainda negocia a adesão ao Covax.

A citação à vacina da Pfizer por Pazuello como uma possível candidata se choca com o que dissera o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, que na última terça-feira. Segundo ele, para o Brasil adquirir uma vacina, as temperaturas de armazenamento têm que variar, “fundamentalmente”, de 2 a 8°C, para ser compatível com a capacidade da rede de frios do Brasil.

No entanto, para conservar as doses do medicamento da Pfizer, é necessário que o material permaneça armazenado em locais com temperaturas extremamente baixas, em torno dos -70°C.

Obrigatoriedade
Ao falar sobre uma possível obrigatoriedade da vacinação contra a Covid-19, Pazuello reafirmou a posição do governo federal de que a população não será obrigada. “Até o momento –– e isso é a posição do ministério, falo pelo ministério, falo também em consonância com o presidente da República ––, a nossa estratégia será a de não obrigatoriedade da vacina. Trabalhar com campanhas de conscientização, trabalhar com disponibilidade em todas as pontas e trabalhar pelo padrão da vacina: uma vacina campeã, uma vacina com resultados, sem (efeitos) colaterais”, disse.

Pazuello espera uma procura muito grande e, por isso, acredita que a compulsoriedade não será necessária. Apesar disso, o ministro indicou que aguarda a posição do Supremo Tribunal Federal (STF), que julga, no próximo dia 11, duas ações que tratam da obrigatoriedade de vacinação contra a Covid-19.

Enquanto aguarda o imunizante, o país convive com a alta de casos e mortes. As atualizações diárias da Covid-19 permanecem em um alto patamar e, ontem, mais 49.863 infecções e 698 mortes foram registradas no balanço do ministério.O Brasil soma 6.436.650 casos confirmados e 174.515 óbitos.

Com os acréscimos diários, a média móvel de casos e mortes segue crescendo. De acordo com análise do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde, por dia morrem aproximadamente 530 pessoas e há um acréscimo de cerca de 38.500 casos. Mas, para Pazuello, o aumento está relacionado à movimentação das eleições municipais.

“Se todo o processo eleitoral dos municípios, com todas as campanhas, aglomerações e eventos, se isso não causa nenhum tipo de aumento de contaminação no nosso país, então não se fala mais em afastamento social. Mas algum reflexo tem que ter tido”, explicou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem em plena pandemia vira desafio em dobro para estudantes
Enem para todos com o Fernandinho Beltrão #369 #370 Isolamento geografico, reprodutivo e genético
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 15/01
Amazonas anuncia toque de recolher
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco