Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

MERCADO FINANCEIRO

Ibovespa cresce 16,12% em novembro e está perto de recuperar perdas da pandemia

Publicado em: 30/11/2020 20:15

 (Foto: Miguel Schincariol/AFP)
Foto: Miguel Schincariol/AFP
Apesar de ter sofrido um ajuste nesta segunda-feira (30), a Bolsa de Valores de São Paulo teve um dos melhores meses da história em novembro. O Ibovespa cresceu 16,12% no mês, influenciado pelo otimismo que tomou conta dos mercados mundiais diante do avanço das vacinas contra a Covid-19 e do resultado das eleições americanas. Com isso, o dólar caiu 6,82%, a R$ 5,34, maior queda mensal da história nos últimos dois anos.

O Ibovespa começou este mês operando aos 95,3 mil pontos, após vários meses de altas e baixas devido aos impactos da pandemia de Covid-19 e às incertezas fiscais que rondam o Brasil. Porém, só registrou cinco dias de queda ao longo de novembro. Um desses dias de queda foi esta segunda-feira, quando caiu 1,52% com os investidores ajustando os lucros realizados nas semanas anteriores e se preparando para o último mês do ano.

Com isso, o Ibovespa passou quase todo o mês acima dos 100 mil pontos e fechou novembro aos 108 mil pontos. O resultado é o melhor para o mês de novembro desde 1999. "A vitória de Biden e as notícias sobre as vacinas contra a Covid-19 deixaram o mundo inteiro com um pouco mais de apetite ao risco. E o Brasil, que estava muito desvalorizado, acompanhou esse movimento", explica o economista-chefe da Nova Futura Investimento, Pedro Paulo Silveira.

Com o mercado menos avesso ao risco, o investidor estrangeiro trouxe cerca de R$ 31 bilhões para a bolsa brasileira em novembro, um recorde para a série histórica mensal da B3, que teve início em 2007. "É um aumento de mais de 900% em relação a outubro", destaca a estrategista-chefe da Rico Investimentos, Betina Roxo.

Segundo Betina, também contribuiu para o retorno dos estrangeiros à B3 a realocação de investimentos que estavam no setor de tecnologia em empresas de setores mais tradicionais, como as de petróleo, os bancos e as companhias aéreas, que representam um peso importante do Ibovespa. Por conta disso, entre as empresas brasileiras que mais ganharam neste mês na Bolsa estão: Petrobras (35%), Vale (28%), Embraer (34%), CVC (46%), Azul (68%), Gol (49%), Santander (23%), Itaú (22%) e Bradesco (21%).

Ainda abaixo do patamar de janeiro
Economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack lembra, contudo, que os ganhos de novembro ainda não anulam todas as perdas sofridas na pandemia de Covid-19. Hoje, o Ibovespa está 5 mil pontos abaixo do patamar observado em janeiro, quando o mercado começou a reagir ao novo coronavírus, o que representa uma desvalorização de 5,8% no ano.

"Lá fora, os mercados acionários já andaram bastante do início da crise até agora. Muitos mercados desenvolvidos já mostraram recuperação. Porém, o Brasil ainda tem espaço para se recuperar", pontua Camila. Ela diz que o Brasil ainda recebe um fluxo de investimentos menor que outros países emergentes porque o mercado segue temeroso com o rumo das contas públicas brasileiras. "A recuperação da confiança passa pela resolução do Orçamento de 2021", afirma.

Muitos congressistas, contudo, já avaliam que o Orçamento e o Renda Brasil devem ser discutidos apenas em 2021, após as eleições presidenciais da Câmara do Senado. Ainda assim, os analistas acreditam que o Ibovespa pode fechar o ano no azul, já que a distância ao patamar pré-pandemia agora é pequeno. "Dezembro é um mês de otimismo no mercado, então podemos fechar no positivo novamente. Sendo assim, podemos zerar as perdas da pandemia neste ano, a não ser que ocorra uma grande deterioração do cenário político e fiscal", observa Camila.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com o Fernandinho Beltrão #369 #370 Isolamento geografico, reprodutivo e genético
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 15/01
Amazonas anuncia toque de recolher
Reino Unido proíbe voos do Brasil
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco