Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

LITERATURA

João Cabral de Melo Neto é declarado patrono da poesia de Pernambuco

Publicado em: 26/10/2020 17:19 | Atualizado em: 26/10/2020 17:20

A homenagem consagra o escritor que inaugurou uma nova forma de fazer poesia no Brasil (Foto: Divulgação)
A homenagem consagra o escritor que inaugurou uma nova forma de fazer poesia no Brasil (Foto: Divulgação)

No ano do seu centenário, o escritor recifense João Cabral de Melo Neto foi reconhecido como Patrono da Poesia de Pernambuco. O título foi concedido pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), através de um projeto de lei do deputado Clodoaldo Magalhães (PSB), e publicado no Diário Oficial dessa sexta-feira (23). A homenagem consagra o escritor que inaugurou uma nova forma de fazer poesia no Brasil. Cabral faria 100 anos no dia 9 de janeiro de 1920.

Natural do Recife, João Cabral de Melo Neto era irmão do historiador Evaldo Cabral de Melo e primo do poeta Manuel Bandeira e do sociólogo Gilberto Freyre. Passou sua infância entre os engenhos da família, nas cidades de São Lourenço da Mata e Moreno. Amante da leitura, lia tudo o que tinha acesso, no colégio e na casa da avó.

Em 1941, João Cabral participou do Primeiro Congresso de Poesia do Recife, lendo o opúsculo Considerações sobre o Poeta Dormindo. No ano seguinte, o escritor publicou sua primeira coletânea de poemas com o livro Pedra do Sono. Depois de se tornar amigo do poeta Joaquim Cardoso e do pintor Vicente do Rego Monteiro, mudou-se para o Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano, prestou concurso para o funcionalismo público.

Durante os anos de 1943 e 1944, trabalhou no Departamento de Arregimentação e Seleção de Pessoal do Rio de Janeiro. Em 1945, publicou seu segundo livro - O Engenheiro -, custeado pelo empresário e poeta Augusto Frederico Schmidt. As obras literárias de João Cabral de Melo Neto são marcadas pelo uso da metalinguagem (muitos dos seus trabalhos falam sobre a própria criação literária).

Seus poemas também contêm imagens surrealistas e influência da cultura popular. Entre diversos escritos, João ficou consagrado pela obra Morte e Vida Severina, publicado em 1955. A obra retrata a trajetória de Severino, que deixa o sertão nordestino em direção ao litoral em busca de melhores condições de vida. Severino encontra no caminho outros nordestinos que, como ele, passam pelas privações impostas ao sertão.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Um milhão de doses da CoronaVac chegam em São Paulo
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 03/12
Vídeo mostra confusão envolvendo agentes da CTTU em Santo Amaro
Brasil: PIB deve crescer 8,8% no terceiro trimestre
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco