Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

MUNDO

Ex-detentos da Flórida votam pela primeira vez em 150 anos

Por: AFP

Publicado em: 28/10/2020 13:53

 (Foto: CHANDAN KHANNA / AFP)
Foto: CHANDAN KHANNA / AFP
A sentença de Yraida Guanipa não terminou quando ela foi libertada da prisão em 2007. Para ela, esse momento começou a chegar quando ela votou no início da eleição presidencial dos Estados Unidos, após uma longa e difícil luta para reconquistar o sufrágio de ex-presidiários da Flórida.

A fila em um dos primeiros centros de votação em Miami era longa e castigante pelo sol do meio-dia. Mas valeu a pena para essa mulher de 58 anos que passou os últimos 11 lutando para votar.

Desde 1868, pessoas com condenações anteriores foram proibidas de votar para sempre na Flórida. A lei foi elaborada por líderes brancos que procuravam uma maneira de impedir que escravos recém-libertados pela Guerra Civil pudessem votar.

Isso mudou 150 anos depois, em 2018, quando os cidadãos do estado decidiram em um referendo restaurar o sufrágio dos condenados que já pagaram sua dívida com a sociedade, a menos que tenham cometido estupro ou homicídio.

Graças à Emenda 4, Guanipa pôde escolher entre o presidente republicano Donald Trump e seu rival democrata, Joe Biden.

"Quando peguei o lápis para preencher o círculo da minha escolha, senti que era mais um passo em direção à liberdade total", contou após votar.

Uma venezuelana-americana há quase 40 anos nos Estados Unidos, Guanipa cumpriu quase 12 anos de prisão por uma acusação relacionada a drogas. Ao sair, fundou o Instituto YG, uma ONG para ajudar outros ex-presidiários em sua transição para a liberdade.

Desde 2009, ajuda a promover a Emenda 4, reunindo assinaturas e participando de um processo federal para que pessoas presas recuperassem o direito de voto ao serem libertadas da prisão, como é o caso na maioria dos outros estados do país.

O "estado do Sol" é crucial nas eleições que terminam em 3 de novembro porque seu voto - que é imprevisível - tem potencial para decidir a presidência.

Não se sabe com certeza quantos dos 1,4 milhão de "cidadãos retornados", que recuperaram seus direitos de voto em 2018, se registraram para votar na Flórida.

Uma análise dos registros eleitorais do Tampa Bay Times, Miami Herald e ProPublica colocou esse número em 31.400, enquanto a Florida Rights Restoration Coalition (FRRC), uma ONG que defende os direitos dos ex-condenados, calcula que são 67 mil.

Destes, não se sabe quantos podem realmente votar devido a uma série de restrições concebidas por congressistas republicanos e, em seguida, sancionadas pelo governador Ron DeSantis, um aliado de Trump.

A lei SB 7066 de 2019 diluiu o poder da Emenda 4, impondo uma obrigação aos ex-detentos de pagarem todas as suas multas, custas judiciais e restituições antes de se registrarem para votar.

Os legisladores que elaboraram esta medida argumentaram que os ex-presidiários não cumprem suas penas até que paguem todas as suas obrigações monetárias.

A lei impacta desproporcionalmente afro-americanos e hispânicos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Um milhão de doses da CoronaVac chegam em São Paulo
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 03/12
Vídeo mostra confusão envolvendo agentes da CTTU em Santo Amaro
Brasil: PIB deve crescer 8,8% no terceiro trimestre
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco