Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

VACINA

Butantan diz não ter sido comunicado sobre cancelamento de acordo da CoronaVac

Publicado em: 30/10/2020 21:48

 (Foto: Instituto Butantan/Divulgação)
Foto: Instituto Butantan/Divulgação
 
Apesar de o presidente Jair Bolsonaro ter determinado na última semana o cancelamento de um protocolo assinado pelo Ministério da Saúde com o Instituto Butantan que firmou a intenção do governo federal em adquirir 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina em desenvolvimento contra o novo coronavírus pelo Butantan em parceria com a empresa chinesa Sinovac, o instituto informou que ainda não foi notificado com nenhum documento oficial sobre a suspensão do acordo.

Em nota enviada ao Correio nesta sexta-feira (30/10), o órgão comunicou que "até o momento, o Butantan não recebeu nenhuma comunicação formal por parte do Ministério da Saúde sobre o protocolo de intenções assinado durante reunião com governadores de 24 estados brasileiros realizada em 20 de outubro". Ou seja, o acordo ainda é válido.

Na semana passada, Bolsonaro declarou pelas redes sociais e em entrevistas à imprensa que não compraria a vacina da China e desautorizou o texto que havia sido assinado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que garantiria a compra das doses da vacina no caso de a CoronaVac receber o certificado da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Como ainda não houve a revogação oficial pelo governo, o Butantan disse estar na expectativa de que o Ministério da Saúde adquira as doses da vacina, apesar das constantes declarações de Bolsonaro que não vai usar recursos da União com o imunizante. Segundo o instituto, "a CoronaVac demonstra-se a vacina mais segura em comparação a outras vacinas em teste para covid-19, e apresenta menor percentual de efeitos colaterais nos resultados obtidos até o momento".

Compromisso

Segundo o Butantan, o Governo de São Paulo, que é responsável pelo instituto, quer "disponibilizar aos brasileiros uma vacina comprovadamente segura, após a conclusão de todos os estudos clínicos e as devidas aprovações nos órgãos regulatórios, como a Anvisa".

"Assim, espera que o Ministério da Saúde honre o compromisso assumido publicamente, adquira o imunizante e garanta uma vacinação gratuita, segura e eficaz para proteger a população", reforçou o instituto.

A reportagem entrou em contato com o Ministério da Saúde, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria. O espaço segue aberto para manifestação.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Dr Dimas Antunes
Argentina chora perda de Maradona
Jogadores se despedem de Maradona
Rhaldney Santos entrevista Dra Amanda López, neurocirurgiã pediátrica
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco