Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

AUDIOVISUAL

7ª edição do Cine Kurumin, festival de cinema indígena, tem exibição virtual gratuita

Publicado em: 25/09/2020 09:50 | Atualizado em: 25/09/2020 09:37

Mostra oficial tem 26 produções indígenas de vários países
 (Foto: Purki/Divulgação)
Mostra oficial tem 26 produções indígenas de vários países (Foto: Purki/Divulgação)

Um projeto intimista e encorajador. Assim a cineasta Graciela Guarani definiu o processo de gravação do filme Cartas nhemongueta, dirigido por ela em parceria com Michely Fernandes, Patrícia Ferreira Pará Yxapy e Sofia Fernandes. A produção é fruto da iniciativa Nhemongueta Kunhã Mbaraete, comissionada pelo Instituto Moreira Salles, que em livre tradução significa "conversas entre mulheres guerreiras".

O trabalho integra o festival de cinema indígena Cine Kurumin, que teve início no último domingo e segue até 20 de outubro em formato on-line. A programação conta com a Mostra Abya Yala – Cinema Indígena na América Latina, a Mostra de Clipes Indígenas Porahei, além da Mostra Oficial, com exibição de 26 produções indígenas contemporâneas de diferentes países. A cada semana serão realizados debates e comentários sobre os filmes exibidos. Toda a grade está disponível na plataforma Vimeo de maneira gratuita pelo link bit.ly/cinekurumin2020.

O longa, com quatro partes, consiste em uma troca de vídeo-cartas entre três mulheres indígenas e uma não indígena, sob a perspectiva afetiva, etnofilosófica e crítica diante do processo de isolamento social e o universo que as permeia. As inquietações foram compartilhadas por elas em dois meses durante a pandemia. "Queríamos mostrar, de uma certa forma, como a gente faz e como a gente vive sendo mulheres produtoras no mercado audiovisual. O projeto nasceu a partir dessa proximidade e da nossa unidade de pensamento. Para mim, é uma questão de sobrevivência conseguir viver sendo indígena e ainda mais mulher.

O empoderamento, a visibilidade e a autoafirmação são um processo muito necessário e urgente", explica Graciela, que atua no ramo audiovisual há 15 anos, como diretora, roteirista e cinegrafista. “A partir do momento que a gente abre as portas de nossas casas, da nossa intimidade, nós dialogamos sobre nós. É provocador, intimista e encorajador." Graciela nasceu na aldeia Jaguapiru, em Dourados (MS), e atualmente vive em Jatobá, no Sertão de Pernambuco. As demais produções no Cine Kurumin, realizado há sete anos, abordam questões sobre a pandemia, a defesa dos territórios indígenas, questões de gênero, mulheres e LGBTI.

O público também poderá participar do Aldeia_Lab, novidade desta edição, que consiste em um laboratório virtual de troca de experiências, ideias e projetos propostos por realizadores audiovisuais indígenas. Neste espaço são desenvolvidas ainda atividades voltadas para outras linguagens como fotografia e mídia de guerrilha. Realizadores poderão receber consultoria da escola de cinema para povos indígenas, o Vídeo nas Aldeias.

De acordo com a diretora geral e curadora do Kurumin, Thaís Brito, edição virtual possibilita o alcance de um público ainda mais amplo. "A experiência coletiva da sala do cinema passa a ser em casa, mas manteremos os espaços de debate. O momento nos impõe, acredito, a necessidade da escuta e aprendizado com os povos indígenas, que superaram muitos e muitos cenários como esse ao longo do tempo. O que o cinema indígena nos ensina sobre resistência diante de um cenário de catástrofe como o que vivemos. São questões que a curadoria tenta alcançar", detalha Thaís Brito, que dividiu o trabalho de curadoria com realizadores indígenas.

O festival busca descolonizar o imaginário e devolver a autoria da produção de imagens para os povos indígenas. Já exibiu mais de 100 filmes e reuniu mais de 2 mil pessoas, em Salvador e nas aldeias dos povos Tupinambá, Pataxó, Tumbalalá, Kiriri (Bahia) e Yawalapiti, no Parque Indígena do Xingu.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Luta por representatividade: candidatas negras tentam reescrever a história
Resumo da semana: segunda onda da pandemia, drones na eleição e campanha sem aglomeração
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco