Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

POSICIONAMENTO

Pazuello defende diagnóstico precoce no combate ao novo coronavírus

Publicado em: 11/08/2020 09:55

 (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Foto: Marcos Corrêa/PR
Com o país tendo ultrapassado a barreira de 100 mil mortes por Covid-19, o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, evitou o tom agressivo do Palácio do Planalto e procurou mostrar que a pasta está empenhada em enfrentar a pandemia. Diferentemente do presidente Jair Bolsonaro, crítico contumaz de governdores e prefeitos, o general declarou apoio ao isolamento social e outras ações realizadas por estados e municípios. E ressaltou a necessidade do diagnóstico precoce da doença para evitar novas mortes.

“Medidas preventivas e afastamento social são medidas de gestão dos municípios e estados, e nós apoiamos todas elas porque quem sabe que é o necessário naquele momento precisa de apoio”, afirmou Pazuello, durante a cerimônia de início das operações da Unidade de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19, localizada na sede da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. O ministro interino, que completará três meses na gestão da pasta no próximo domingo, disse que não é o momento de politizar sobre a pandemia.

“Não existe neste momento diferenças partidárias ou ideológicas. Nós somos todos brasileiros, combatendo dia a dia da melhor forma, nos dedicando para que não haja mais mortos no nosso país”, declarou. Segundo ele, o Ministério da Saúde revê os protocolos de enfrentamento à Covid-19 para procurar as melhores alternativas e alterar aquilo que não está dando certo. Uma das principais mudanças ressaltadaS por Pazuello é o diagnóstico precoce da covid.

Além de adotar um discurso oposto ao de Bolsonaro, Pazuello insistiu em uma nova diretriz para o tratamento da Covid-19: a importância do diagnóstico precoce. “Não está correto ficar em casa doente com sintomas até passar mal com falta de ar. Isso não funciona, não funcionou e deu no que deu. Nós há dois meses já mudamos esse protocolo”, reforçou o ministro, que indica a procura por unidades de saúde quando o primeiro sintoma for notado pelo paciente. Pazuello afirmou, ainda, que esse diagnóstico pode ser feito de diversas maneiras e não somente pelo testes laboratoriais.

“Qualquer sintoma procure imediatamente um médico e esse médico tem todo o poder soberano de diagnosticar, de forma clínica, clínica-epidemiológica, laboratorial, com exames de imagens e testes”, ressaltou.

Ranking do Planalto
O discurso com viés técnico de Pazuello contrasta com a ação do Palácio do Planalto. Após o Brasil ultrapassar as 100 mil mortes pela Covid-19, no sábado, o governo enviou a parlamentares relatório em que cita governadores e prefeitos de locais com o maior número de novos óbitos e novos casos da doença. Ao tentar se eximir das críticas pela condução do enfrentamento do coronavírus, o presidente tem atribuído a responsabilidade do avanço da pandemia a gestores de estados e municípios.

O documento é assinado pela Secretaria Especial de Assuntos Federativos, subordinada ao ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e usa dados do Ministério da Saúde. O relatório interno cita os cinco governadores de estados com mais mortes e novos casos. A lista de prefeitos é feita com base apenas no número de diagnósticos da doença.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), aparece no topo das listas de números de casos e de óbitos. O estado ultrapassou 600 mil infectados e 25 mil mortes. Doria é adversário político de Bolsonaro e, durante a pandemia, os dois intensificaram a troca de ataques.

Outros quatro governadores são mencionados: Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul; Rui Costa (PT), da Bahia; Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais, e Carlos Moisés (PSL), de Santa Catarina. Na relação de mais mortes por covid, após Doria, aparecem Zema, Leite, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e Costa. O Distrito Federal é citado, mas o nome do governador Ibaneis Rocha (MDB) não é destacado.

Na lista de municípios com mais casos são citados os prefeitos de São Paulo, Bruno Covas (PSDB); do Rio, Marcelo Crivella (PRB); de Salvador, ACM Neto (DEM); e de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT).

Em nota, a Secretaria Especial de Assuntos Federativos disse que o documento tem “o objetivo de monitorar a disseminação da covid-19 nos entes federativos para auxiliar na articulação do governo federal”. Mas não esclareceu por que foram mencionados nomes de governadores e prefeitos.

O Brasil registrou, ontem, mais de 703 óbitos pela Covid-19 e 22.048 novas infecções. Segunda nação com mais infectados e vítimas do novo coronavírus no mundo, o país soma 101.752 mortes e 3.057.470 casos. Apesar do número alto de casos diários de infecções e mortes, houve queda de casos e óbitos ao comparar a última semana epidemiológica encerrada, a 32ª, com a anterior, a 31ª.

Testagem
A Unidade de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19 é uma iniciativa para dar suporte aos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacen). De acordo com a Fiocruz, a unidade pode processar diariamente até 15 mil testes moleculares, conhecidos como RT-PCR, o padrão ouro para diagnosticar a Covid-19. A estrutura e equipamentos foram financiados pelo programa Todos Pela Saúde, do Itaú Unibanco, e o Ministério da Saúde custeará a operação. “Sabemos que entre as estratégias para o enfrentamento a esta pandemia a política e a capacidade de testagem são fundamentais hoje e em todas as etapas”, destacou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.

Vacina de Oxford avança
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou ontem que os voluntários da vacina de Oxford contra a covid-19 recebam a segunda dose, de reforço, da imunização. A decisão está na Resolução 2.895/2020, publicada no Diário Oficial da União. A dose de reforço será dada aos voluntários que já haviam sido vacinados e também aos que ainda vão entrar para o estudo.

A inclusão da segunda dose na pesquisa foi motivada pela publicação de alguns resultados que mostraram que o reforço aumenta a chance de imunização. “A expectativa é que a segunda dose acrescente informação aos estudos e sobre a forma pela qual essa vacina poderá ser utilizada no futuro”, explicou, em nota.

A Anvisa autorizou a mudança da pesquisa com base nos dados de segurança apresentados até o momento. Cientistas de Oxford divulgaram, em 20 de julho, resultados que mostram que a dose de reforço resultou em maior produção de anticorpos em voluntários das fases 1 e 2 de testes da vacina. No Brasil, os testes estão na terceira e última fase.

A Anvisa destacou que o intervalo para a segunda dose dos participantes deve ser de quatro semanas. “Para os voluntários que já passaram pelo estudo, a segunda dose deve ser dada entre quatro e seis semanas. Neste caso, a variação do prazo se deve à necessidade de entrar em contato com o voluntário e mobilizá-los novamente para a dose de reforço”, explica.

Além disso, a Anvisa ampliou a faixa etária para a realização dos testes. Com isso, voluntários de 18 a 69 anos poderão participar da pesquisa. A faixa etária inicialmente aprovada era dos 18 aos 55 anos. Segundo a agência, ainda não havia dados para justificar a aplicação em pessoas de 55 a 69 anos. “Após a apresentação das informações necessárias pela empresa, a autorização para testes em voluntários de até 69 anos foi deferida”, destaca o órgão. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Resumo da semana: acidente em Boa Viagem, aulas liberadas e reinauguração do Geraldão
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #101 Actina e Miosina
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco