Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ALUGUEL

Governo vai rever uso de imóveis para reduzir gastos com aluguel

Publicado em: 03/08/2020 21:57

 (Foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Foto: Breno Fortes/CB/D.A Press

A adoção do trabalho remoto pelos servidores públicos já reduziu em R$ 466 milhões os gastos do governo federal com deslocamentos, viagens, energia e comunicação. Mas também vai provocar uma reorganização dos imóveis da administração pública. A ideia do governo é otimizar o uso desses imóveis e, assim, economizar até R$ 1,3 bilhão com aluguel nos próximos três anos.

Secretário de Coordenação e Governança do Patrimônio da União, Fernando Bispo contou que o governo federal já vinha buscando aumentar a eficiência e reduzir os custos com os imóveis desde o ano passado, quando percebeu que vários edifícios da administração pública têm espaços ociosos e subutilizados e que, ainda assim, é preciso pagar aluguel para outros órgãos do Executivo.

Porém, esse processo de reorganização tornou-se ainda mais necessário diante das mudanças impostas pela pandemia do novo coronavírus. Afinal, boa parte dos servidores que adotou o teletrabalho na quarentena deve continuar trabalhando de casa após a covid-19. E esse movimento vai vagar ainda mais espaços nos imóveis da administração pública. "A pandemia criou ainda mais oportunidades de redução de uso do espaço físico", comentou Bispo.

Por conta disso, o governo federal deu nesta segunda-feira (03/08) o pontapé inicial de um "programa de gestão de ocupação otimizada e compartilhada dos imóveis", por meio da publicação da portaria conjunta nº 38 da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital e a Secretaria de Gestão do Ministério da Economia.

A portaria determina que os diversos órgãos da administração pública federal devem prestar informações sobre os imóveis que ocupam, como a área útil do edifício, o uso desse espaço e a quantidade de servidores alocados por metro quadrado. As informações devem ser apresentadas ao Ministério da Economia até 10 de setembro no caso dos imóveis situados no Distrito Federal e até 10 de dezembro para os demais imóveis. E servirão de base para um plano de racionalização do uso desses imóveis.

"Depois disso, seguiremos com os atos que podem promover eficiência e redução de custos", disse Bispo. Ele contou que, com base nessas informações, o governo pode propor a permuta de imóveis ou a junção de dois órgãos em um mesmo edifício. Com isso, será possível otimizar o uso desses imóveis e até desocupar alguns prédios que custam caro, mas trazem pouco retorno para o governo.

O Ministério da Economia espera, portanto, reduzir os custos com aluguel e manutenção predial ao final desse processo. "O aluguel de imóveis custa R$ 850 mil por ano, dos quais R$ 350 mil são só no Distrito Federal. A ocupação otimizada dos imóveis representa uma redução nessa despesa e também nos gastos de outros itens do custeio administrativo, como energia, água, limpeza, vigilância, manutenção e telecomunicações. Por isso, a economia pode chegar a R$ 1,3 bilhão em três anos", calculou o secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Resumo da semana: acidente em Boa Viagem, aulas liberadas e reinauguração do Geraldão
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #101 Actina e Miosina
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco