Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

Estado

Dom Helder Câmara ganha título de Patrono dos Direitos Humanos

Publicado em: 12/08/2020 18:02 | Atualizado em: 12/08/2020 18:12

Dom Hélder transformou-se num %u201Cgigante%u201D na defesa dos direitos humanos durante o período da ditadura militar. (Heitor Cunha Arq/DP)
Dom Hélder transformou-se num %u201Cgigante%u201D na defesa dos direitos humanos durante o período da ditadura militar. (Heitor Cunha Arq/DP)
A Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) aprovou uma lei que dá o título de Patrono dos Direitos Humanos de Pernambuco a Dom Hélder Câmara. O autor da Lei nº 17.006, já sancionada pelo governador de Pernambuco, é o primeiro-secretário da Alepe e deputado estadual, Clodoaldo Magalhães (PSB). 

Em 26 de dezembro de 2017, o líder religioso já havia sido declarado como Patrono Brasileiro dos Direitos Humanos, através da Lei Federal nº 13.581. Faltava o reconhecimento estadual.

Dom Hélder Pessoa Câmara foi um bispo católico que se destacou pela luta pelos direitos humanos e ações desenvolvidas em prol dos pobres e do povo pernambucano. Ele deixou frases que se eternizaram, como: “Quando os problemas se tornam absurdos, os desafios se tornam apaixonantes"; "O verdadeiro cristianismo rejeita a ideia de que uns nascem pobres e outros ricos, e que os pobres devem atribuir a sua pobreza à vontade de Deus"; "É graça divina começar bem, graça maior persistir na caminhada
certa, mas graça das graças é não desistir nunca".

Nascido em Fortaleza (CE), em 1909, Dom Hélder entrou para o Seminário da Prainha de São José com apenas 14 anos, onde cursou Filosofia e Teologia. Em 15 de agosto de 1931, com 22 anos, ordenou-se sacerdote, e,no dia seguinte, celebrou sua primeira missa. Em 1952, foi transferido
para o Rio de Janeiro, onde viveu e evangelizou por 28 anos.

Na época, Dom Hélder desenvolveu obras sociais, fundou a Cruzada São Sebastião e o Banco da Providência, para atender os mais carentes e necessitados. Ainda em 1952, já bispo católico, Dom Helder participou da fundação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Organizou congressos buscando adaptar a Igreja Católica aos tempos modernos e a integração da Igreja na defesa dos direitos humanos.

Em 12 de abril de 1964, antes do golpe militar, Dom Hélder Câmara foi nomeado 6º arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, título que manteve até 1985. Também instituiu o “Movimento Encontro de Irmãos”, o “Banco da Providência” e a “Comissão de Justiça e Paz”. Através desses movimentos, fortaleceu as comunidades eclesiais de base. Militante da
luta pelos direitos humanos, resistiu ao regime militar e se tornou um líder contra o autoritarismo.

Dom Hélder transformou-se num “gigante” na defesa dos direitos humanos durante o período da ditadura militar. Em 1970, durante um pronunciamento em Paris, denunciou a prática de tortura e a situação dos presos políticos no Brasil. Dom Helder recebeu vários prêmios internacionais, entre eles, o Prêmio Martin Luther King, nos Estados
Unidos, e o Prêmio Popular da Paz, na Noruega. Em 1972, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz. Com quatro indicações, foi o brasileiro por mais
vezes indicado ao Prêmio Nobel da Paz.

Em 27 de maio de 2014, o nosso metropolita, Dom Fernando Saburido, escreveu uma carta endereçada ao Vaticano reivindicando a abertura de processo de canonização de Dom Helder Câmara. No dia 16 de fevereiro de 2015, o Congregação para as Causas dos Santos emitiu parecer favorável, e recebeu o título de “Servo de Deus” na data de 7 de abril de 2015.

Nesse mesmo ano, deu-se a abertura do processo de beatificação, em 3 de maio, na Igreja Catedral de Olinda; marco da instalação do tribunal do início da fase diocesana do processo de beatificação.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: Entenda por que a inflação dos alimentos disparou
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #259 O que é uma planta?
Rhaldney Santos entrevista Rodrigo Novaes e Otaviano Maroja
Rhaldney Santos entrevista o desembargador do TJPE Erik Simões
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco