Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

BRASÍLIA

10 fatos para entender caso de estudante picado por naja no DF

Publicado em: 09/07/2020 14:07

 (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução
A notícia do estudante de medicina veterinária picado por uma cobra naja em pleno Distrito Federal repercute no noticiário local e nacional desde a quarta-feira (8). Com o estudante induzido ao coma, muitas lacunas ainda serão preenchidas pela polícia. Eis o que se sabe até o momento sobre o caso:

A vítima
Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl tem 22 anos, é morador do Guará II e estudante de medicina veterinária na Uniceplac. Ele foi atacado pela cobra naja na terça-feira (7) e precisou ser socorrido ao Hospital Maria Auxiliadora, no Gama, onde está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em estado de saúde considerado grave. 

Admirador dos répteis, o rapaz costuma compartilhar diversas publicações com imagens de cobras em seu perfil no Facebook. Em uma delas, uma criança aparece brincando com o animal. Contudo, não há, ao menos em modo público, qualquer registro que revele espécimes criados pelo próprio estudante. 

A naja
Naja é um gênero serpentes que abrange cerca de 20 espécies. A que picou Pedro é da espécie kaouthia. Elas vivem em toda a África e sul da Ásia e são animais peçonhentos considerados perigosos. É o que explica o biólogo Jair Neto Vieira. "Algumas espécies apresentam veneno neurotóxico, que ataca o sistema nervoso; e outras apresentam venenos cardiotóxicos, que causam inchaço, necrose e têm efeito coagulante", explica. O veneno da naja pode matar um ser humano em aproximadamente 60 minutos.

As najas vivem, em média, 15 anos e, na fase adulta, podem chegar a medir até três metros. O biólogo afirma, contudo, que apesar de ser um animal extremamente venenoso, a espécie só ataca os seres humanos exclusivamente por defesa. O réptil se alimenta basicamente de roedores. As fêmeas de naja botam de 15 a 30 ovos por ninhada, os quais são incubados durante 60 a 80 dias. 

Onde está a cobra
A cobra naja que picou um estudante foi encontrada e capturada na quarta-feira (8). O Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA) resgatou o animal próximo ao shopping Pier 21. Segundo a corporação, familiares de Pedro Henrique Lehmkuhl forneceram informações que levaram ao contato de um adolescente que estaria com o bicho. De acordo com a Polícia Civil, ele é amigo do estudante picado.

A cobra, de aproximadamente 1,5m, foi encaminhada ao Zoológico de Brasília e ficará no local até que os órgãos ambientais definam seu destino final.

Nova casa? 
Ainda não está definido se o zoo ficará com o espécime em definitivo. Segundo avaliação da equipe de cuidadores, o animal não apresentou problemas físicos, mas estava com altos níveis de estresse. 

Os profissionais não a alimentaram ainda. Mas, devido ao metabolismo lento que as cobras apresentam, elas podem ficar por mais de 15 dias sem comer. Os cuidadores, no entanto, não irão manusear o animal enquanto não houver doses de soro antiofídico específico para essa espécie disponíveis no Brasil.
 
Novo habitat?
De acordo com especialistas, como é composto por uma enorme variedade de microclimas, se tivesse fugido, a cobra naja poderia, sim, se adaptar ao bioma do cerrado e continuar vivendo normalmente. Para dar continuidade à espécie, no entanto, seria necessário que encontrasse ao menos uma cobra do sexo oposto para fins de reprodução.

Responsabilidades
A Polícia Civil do Distrito Federal e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) investigam a procedência da cobra. Não há registros de entrada legal de uma serpente dessa espécie no Distrito Federal nos últimos anos, por isso, os investigadores trabalham com duas hipóteses: ela pode ter sido importada, sem autorização, pelo próprio estudante ou ele a adquiriu por meio de um mercado interno clandestino de tráfico de animais exóticos. 

De acordo com informações do BPMA, um amigo de Pedro estava mantendo o réptil em casa. A mãe do estudante teria intermediado o contato dos agentes com o amigo que estava com o animal. O jovem deve ser interrogado pela polícia para verificar se há envolvimento direto no caso.

Autorização pelo Ibama 
O órgão responsável por autorizar e fiscalizar a entrada de animais silvestres no país é o Ibama. É possível criar domesticamente alguns deles, desde que com a devida autorização do órgão, que tem que prezar pelo bem-estar do bicho. Até o momento, não foram encontrados registros em nome do universitário.
 
O Ibama informou que a multa por manter animais selvagens do gênero varia de R$ 500 a R$ 5 mil. 

Butantan
Referência no país, o Instituto Butantan, em São Paulo, é um dos únicos lugares em que há a autorização para criação de répteis mais raros. Além do serpentário disponível no local, há também o maior estoque de soro antiofídico do país, o antídoto utilizado em caso de incidentes com animais venenosos. No caso das espécies encontradas no Brasil, há a produção local do antídoto na instituição; já para o caso de espécies estrangeiras, há apenas o estoque dos medicamentos importados.
 
No caso do estudante, foi necessário acionar o órgão, que tinha apenas uma dose disponível do soro, encaminhada ao Distrito Federal ainda na noite da terça-feira (7). 

O tratamento 
Pedro Henrique foi tratado com o antídoto e apresentou uma leve melhora no estado de saúde. O jovem também passou por uma hemodiálise e a reação alérgica causada pelo veneno diminuiu. No entanto, ele segue na UTI do hospital, sem previsão de alta.

O Correio apurou que dez doses do soro antiofídico relacionado a essa espécie foram importadas dos Estados Unidos e devem chegar ao Distrito Federal ainda nesta quinta-feira (9). As novas doses são preventivas e não necessariamente serão todas utilizadas pelo estudantes. As que sobrarem serão encaminhadas ao estoque do Butantan. 

Comunidade acadêmica
A coordenação do curso de medicina da UniCEPLAC informou que esse tipo de animal não é manuseado nas dependências da universidade e ficam restritos a zoológicos e institutos como o Butantan. Estudantes colegas do universitário se manifestaram em relação ao caso, que receberam com bastante surpresa. Os alunos pediram que a população evite julgamentos para não ampliar a dor dos familiares e que todos torcessem pela recuperação do paciente. 

O Grupo de Estudos de Animais Silvestres e Exóticos do UniCEPLAC, GEASE UniCEPLAC, disse considerar Pedro Henrique um importante membro do grupo e se posicionou quanto às questões ainda não esclarecidas do caso. "Advertimos que o grupo não incentiva, de forma alguma, a criação de animais que possam oferecer riscos à saúde humana, ou do próprio animal. Aconselhamos que os membros que desejem adquirir um animal silvestre, façam isso seguindo as leis e normativas vigentes no país", resumiu, em nota. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista o pré-candidato à prefeitura do Recife  Túlio Gadêlha
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #392 Sucessão ecológica
A nova cara da Conde da Boa Vista, velha conhecida dos recifenses
Rhaldney Santos entrevista a pré-candidata à prefeitura do Recife Marília Arraes
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco