Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

ESTUDO

Educação financeira reduz uso de linhas mais caras de crédito, diz BC

Publicado em: 01/06/2020 19:42

 (Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil
Um estudo do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira (1º), identificou que alunos do ensino médio que receberam aulas de educação financeira usaram menos linhas mais caras de crédito, como cheque especial e rotativo do cartão de crédito.

De acordo com a pesquisa, o grupo de estudantes que teve acesso à matéria usou 9,03% menos cheque especial entre junho de 2016 e dezembro de 2019 (período avaliado pelo BC), em relação aos alunos que não tiveram.

O uso do rotativo do cartão de crédito foi 6,75% menor entre aqueles que tiveram educação financeira na escola.

Além disso, estudantes que participaram do projeto usaram 5,73% menos cartão de crédito em compras.

A pesquisa foi feita com 25 mil estudantes de 892 escolas públicas em seis estados brasileiros. A autoridade monetária realizou ação de educação financeira durante 17 meses, entre 2010 e 2011. O acompanhamento foi feito até junho de 2019.

O BC formou pares de escolas parecidas entre si e, de cada um, foi sorteado um colégio para fazer parte da ação. Assim, foi possível fazer a comparação entre os alunos que estudaram educação financeira e os que não tiveram acesso à matéria.

O estudo mostrou que ter aulas de educação financeira não influenciou na decisão de ter ou não conta bancária.

"Interessante notar que, além de a posse de conta bancária variar positivamente com o tempo, os resultados sugerem que não existem diferenças estatisticamente significantes entre os grupos de controle e de tratamento", avaliou a pesquisa.

Entre dezembro de 2009 e dezembro de 2015, 75% dos estudantes abriram contas-correntes. Os jovens tinham entre 15 e 21 anos. Em janeiro de 2019, 96% tinham relacionamento com banco.

A pesquisa identificou também menor participação no mercado de trabalho formal entre alunos do grupo que não teve educação financeira na escola.

"Uma hipótese para tal é que a ação de educação financeira tenha incentivado os jovens a investirem em capital humano, aumentando sua propensão a cursarem o ensino superior, em vez de irem para o mercado de trabalho após a conclusão do ensino médio", analisou o documento.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco