Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

PORTE

Programa de financiamento de salários teve mais adesão entre empresas maiores

Por: FolhaPress

Publicado em: 28/05/2020 22:22

 (Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil
A maior parte das empresas que financiaram folhas de pagamento com subsídio do governo tem faturamento próximo a R$ 10 milhões, segundo o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

"Quando a gente olha as empresas que pegaram o programa, está mais perto dos R$ 10 milhões [de faturamento] do que da parte debaixo, o que mostra que esse produto é mais concentrado nas empresas que tem mais faturamento do que menos. A ideia é expandir. [A linha] vai sofrer alguns ajustes nesse sentido", disse.

Campos Neto, nesta quinta-feira (28), participou de evento virtual promovido pelo BTG Pactual.

A linha financia até dois meses de folha de pagamento das empresas com faturamento de R$ 360 mil a R$ 10 milhões por ano. Esse grupo é formado por pequenas e uma parte das médias empresas. Com baixa adesão, o governo deve anunciar reformulação.

"Esse programa vai sofrer ajustes que devem ser anunciados na semana que vem para ter um alcance maior. A gente hoje faz uma retrospectiva e vê que realmente o desembolso foi baixo", disse Campos Neto.

"O fato de não poder demitir ninguém fez com que muitas empresas achassem o programa muito restritivo e decidiram não entrar", afirmou.

Hoje, as empresas não podem demitir por igual período do contrato -se o empréstimo for de dois meses, a empresa não pode demitir nos dois meses seguintes, por exemplo.

Até segunda-feira (25), de acordo com dados do BC, apenas 4,75% dos R$ 40 bilhões disponíveis para a linha de crédito destinada a cobrir salários do setor privado foram emprestados.

Ao todo, foram R$ 1,9 bilhão em empréstimos para 78,8 mil empresas. Até agora, 1,2 milhão de funcionários foram beneficiados.

Quando o programa foi lançado, em 27 de março, o BC estimou que cerca de 12 milhões de pessoas e 1,4 milhão de empresas seriam contempladas.

A medida foi lançada pelo BC com o Ministério da Economia e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). O governo entra com 85% dos recursos e os bancos com 15%.

O custo para a empresa, quando anunciado, era igual à taxa básica (3,75% ao ano - a Selic caiu, no começo de maio, para 3% ao ano), sem spread (diferença entre a taxa de captação de recursos e a taxa cobrada em financiamentos) para os bancos, com carência de seis meses para pagar e em 36 parcelas.

Segundo o presidente do BC, mais medidas serão anunciadas. "Entendemos a dificuldade do crédito chegar à ponta, principalmente para empresas pequenas", afirmou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco