Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

TROCA

Osmar Terra nega ter sido chamado para assumir Ministério da Saúde

Publicado em: 06/04/2020 17:43 | Atualizado em: 06/04/2020 18:20

 (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Foto: José Cruz/Agência Brasil
O ex-ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), negou que tenha sido convidado para assumir o cargo de ministro da Saúde, após deixar o Palácio do Planalto, onde almoçou com o presidente Jair Bolsonaro no início da tarde desta segunda-feira (6). Fontes ligadas ao governo federal davam conta de que o deputado federal assumiria o lugar de Luiz Henrique Mandetta na pasta, em meio à crise provocada pelo pandemia do novo coronavírus.

Por volta das 17h desta segunda, Bolsonaro se reuniu com o vice-presidente, Hamilton Mourão, e toda a sua equipe ministerial, incluindo Mandetta, além de presidentes de instituições bancárias. A pauta do encontro não foi divulgada. Por este motivo, o ministro da Saúde não participou da coletiva de imprensa sobre a pandemia da Covid-19 no Brasil, onde são divulgados boletins diários sobre a evolução da doença no país. 

Já a pauta do almoço entre Terra e Bolsonaro, que contou ainda com a participação da oncologista Nise Yamagushi, tratou do uso da hidroxocloroquina no tratamento de pessoas diagnosticadas com coronavírus. Yamagushi é defensora do uso precoce do medicamento em pacientes com Covid-19.

O uso da cloroquina é um tema que divide opiniões, mas a posição de Yamagushi e Osmar Terra estão alinhadas com o presidente da República. “Bolsonaro tem ouvido todos, inclusive quem defende que (o medicamento) seja usado em pacientes menos graves. Tem ouvido médicos e especialistas a respeito. No meio dessa epidemia, não dá para espera ficar grave para usar”, declarou Terra. “Os militares tomam cloroquina quando vão para a Amazônia. Por que um paciente de Covid-19 não pode tomar?”, indagou.

Este é mais um motivo de embate entre o presidente da República e o ministro da Saúde, que levaram à instabilidade no governo. Bolsonaro já havia convocado na sexta-feira (3), uma reunião com vários médicos para tratar do uso da cloroquina no tratamento da Covid-19. Mandetta, que trata a pauta com cautela por ainda não haver comprovação do efeito positivo da droga como terapia para a doença, não foi convidado para o encontro. 

Além disto, a crise entre Bolsonaro e Mandetta foi provocada pela postura do então ministro em seguir as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda o distanciamento social como medida principal para a contenção da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. O presidente da República, por sua vez, é contra as recomendações das autoridades sanitárias, como fechamento de comércios e instituições de ensino. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Irmão de George Floyd pede à população: votem!
Polícia Federal apreende drogas enviadas por encomenda
02/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
01/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco